25/07/2022 - 06:00

Por: Antonio Costa / Zakinews

Dona Elza – 63 anos no exercício da fé como tiradeira de reza de santo


Antonio Costa, EXCLUSIVO ao Zakinews

Dona Elza, uma das últimas rezadeiras de Cáceres/MT - Foto: Antonio Costa


Através dos tempos sempre existiram pessoas devotas dos santos padroeiros cujas imagens sempre compuseram um lugar de destaque, carinho e respeito na sala das casas onde o oratório é uma referência no que se refere ao abrigo das imagens dos santos de devoção.

Nestes lados do pantanal mato-grossense essa prática está arraigada nas famílias que cultivam a fé e o respeito através das gerações que se sucedem, e, assim, conseguem evidenciar que a fé se faz presente no cotidiano delas como um bálsamo para encarar as adversidades que vão surgindo enquanto se vive.

Nesta oportunidade zakinews estampa toda a plenitude devocional desta cacerense que se tornou uma referência para entoar as ladainhas das rezas de santo nos dias dos meses em que se costumam louvar o padroeiro. Essa a história de:

Ela revela sentir-se feliz da missão que exerce - Foto: Antonio Costa

Elza Justina Ribeiro de Oliveira

Cacerense, 75 anos, filha de Ana de Pinho Ribeiro e de Florêncio Alves Ribeiro (açougueiro), o casal teve 13 filhos, dos quais somente dois ainda estão vivos.

Dona Elza a personagem da semana, casou-se aos 17 anos com Hélio Francisco de Oliveira, e teve 7 filhos. Viveu uma infância bastante sofrida e com muitas dificuldades. O pai faleceu quando ela era ainda uma criança, assim foi criada pela mãe com a ajuda dos irmãos mais velhos, principalmente o cunhado Domingos de Pinho casado com a  irmã Irene.

Aprendeu a ler e a escrever com professoras particulares e com aquelas que lecionavam no Grupo escolar Esperidião Marques, os quais cita Marinete, Noêmia e Nita.

Há 70 anos ela praticamente mora no mesmo lugar –Rua do Lavapés –mas antigamente o lugar era uma enorme chácara onde a mãe Ana de Pinho criava pequenos animais e praticamente plantava de tudo para consumo próprio e da criançada. “Nossa mãe praticamente criou nós tudo sozinha e com a intervenção de Deus. Nosso pai faleceu e ela não quis mais saber de arrumar outro marido”.

Começou na devoção aos 12 anos

Elza Justina não teve muito tempo para ocupar com as brincadeiras da sua turma de idade. Isso porque já aos 12 anos recebia a missão de tirar as rezas de santo, dada pela saudosa mãe Ana de Pinho.

Ela conta que a irmã Mariana aos 10 anos foi acometida de uma meningite que lhe tirou a vida num período de 24 horas.

A mãe em desespero, pressentiu que a próxima vítima a ser ceifada pela terrível doença poderia ser Elza, o que acabou por acontecer.

Assim ela dobrou os joelhos e prometeu em oração que, caso a filha então com apenas 6 anos, fosse salva, haveria de pagar a promessa de tirar as rezas de santo até o final da vida...

Em desespero, a mãe suplicou para que Deus não a levasse...Deus não a levou!

Até hoje aquela menina, hoje com 75 anos, recorda em seu paladar do forte chá de alho que ingeriu e que a fez molhar a roupa de tanto suor exalado.

Desde então já aos 12 anos a menina Elza passava a entoar as ladainhas em latim ensinadas pela própria mãe, para se tornar numa das mais conhecidas e respeitadas tiradeiras de reza de santo de Cáceres, da região e de todo Mato Grosso. Da mãe ela ouviu um conselho ou uma determinação: “Você nunca vai dizer não pra ninguém”, sobre os pedidos que lhe chegariam para rezar nas casas dos diferentes devotos.

Lá se vão 63 anos nessa missão exercida constantemente, e, que conforme assegura, só lhe dá prazer, coragem, fé e alegria para prosseguir na missão.

Ela recorda da primeira reza que tirou ainda em companhia da saudosa mãe. Revela que foi em louvor ao São Sebastião – padroeiro contra a peste, a fome e a guerra – sua festa é celebrada no dia 20 de janeiro.

Dona Elza passou a ser devota desse santo, tem ele no altar da casa, reza anualmente para esse santo. Inclusive no seu pulso esquerdo tem amarrada a medida de São Sebastião para proteção contra o mal desse século, a Covid 19. “Graças à Deus estou protegida assim como minha família. A doença pode até acometer algum de nós, mas, vem fraca”, justifica a benzedeira.

Ela revela também ser devota de São Francisco, o padroeiro dos animais, cuja celebração ocorre em 4 de outubro.

Dona Elza cita entre aquelas que com ela dividiram a responsabilidade de entoar as ladainhas santas estão a Dona Aquilina; famosa tiradeira de reza, deixou-se ser dominada pela bebida e acabou morrendo.

Dona Maria que trabalhava na Fazenda Baio, de propriedade do abastado fazendeiro José Palmiro da Silva, o conhecido “doutô” que tinha por hábito vestir-se com linho branco.

Foram suas companheiras nas toadas das rezas, hoje deixaram saudade. “Hoje só eu e Deus continuamos com a devoção”.

Na sala da casa os santos de devoção - Foto: Antonio Costa

Durante 7 anos rezou para São Lázaro

Ela volta no tempo e aproveita a reportagem para debulhar as marcantes passagens que compõe o cenário de sua rica existência de significantes causos. Conta que a sua tia Leonía (moradora da Rua Coronel Ponce), e, que por vários anos promoveu festas de santo em sua casa para tornar-se bastante popular e famosa, teve uma época que adoeceu.

Foi então que fez uma promessa que deveria ser cumprida pela sobrinha, a Elza Justina, e que consistia em preparar no dia de São Lázaro (11 de fevereiro) a comida dos cães da rua onde morava. Ela teve a sua saúde restabelecida, a partir de então a sobrinha Elza passou a cozinhar para os cães e assim pagar a promessa durante 7 anos consecutivos.

Nessa época, aproximadamente 10 animais recebiam comida. Os mais bravos ficavam nos quintais e os donos levavam a “comida santa” para eles saborearem.

A data, prossegue ela, coincidia com o aniversário da filha que mora em Cuiabá, motivo que ela não podia participar da festa em razão do compromisso no Dia de São Lázaro. Ao encerrar a promessa, ela entendeu que estava livre para finalmente prestigiar o aniversário da irmã em Cuiabá. Lá foi ela...

Não sabia que uma enorme surpresa a esperava. Estando na casa da irmã foi surpreendida por latido de cães vindo da rua. Os animais latiam insistentemente no portão da casa, para surpresa de todos. Principalmente em razão de que naquela época existia o trabalho da carrocinha em recolher animais solto nas ruas de Cuiabá.

Jamais imaginavam os donos da casa que poderiam estar os dois animais no portão da casa latindo insistentemente...

Dona Elza passou a se impressionar com aquela cena nas primeiras horas da manhã... tomou um susto ao recordar que anteriormente nesse dia, fazia comida para os animais...

Imediatamente foi ao açougue e comprou dois quilos de costela. Temperou, cozinhou, deixou esfriar e deu de comer os dois cães que não soube de onde apareceram. Os animais saborearam a costela com muita vontade. Satisfeitos como num passe de mágica foram embora de barriga cheia. 

À noite Dona Elza de posse do terço na mão tirou a reza em louvor a São Lázaro, que segundo ela, mandou os dois cães lhe cobrarem.  

Devota de São Sebastião - Foto: Antonio Costa

Uma boa tiradeira de reza...

Dona Elza assegura que irá cumprir sua missão aos santos de devoção até o último dia de vida. Ela não se conforma dos filhos não terem acompanhado ela na missão, mas, acredita que ainda surgirá alguém da família para dar continuidade ao trabalho religioso que desenvolve desde aos 12 anos de idade.

Para ser uma boa tiradeira de reza, ela diz que é preciso ter uma certa vocação, como principalmente, entoação e harmonia com a ladainha que ela reza em latim. “O cururueiro e a rezadeira têm que estar afinados na primeira e na segunda voz, assim a cantoria fica muito bonita”, explica.

Nem sempre ela conseguiu ser unanimidade, principalmente no dia em que o marido (falecido) estava tomando uns goles a mais, e, algumas vezes, tentou impedir que ela fosse rezar em alguma casa de amigas que lhe haviam convidado. Nessa situação ela teve algumas vezes que recorrer ao São Benedito, pedindo que o santo fizesse com que o marido dormisse e ela pudesse ir rezar. Tiro e queda, o saudoso marido Hélio Francisco de Oliveira (mecânico do extinto Dermat), antes mesmo dela sair caiu em profundo sono. Deu tempo suficiente para ela ir cumprir o compromisso voltar e encontrar ele roncando forte numa cadeira de balanço.

Assim Dona Elza, reconhecida como uma das últimas rezadeiras do pantanal mato-grossense, vai com fé e devoção cumprindo a missão que ganhou de Deus, segundo ela. Alguns que com ela dividiram a missão, a exemplo do rezador Mogênio, já partiram para a eternidade.

Ela segue nas entoações dos hinos santos de São Sebastião, Francisco, Bento, Pedro, João, São Gonçalo (para pagar promessa desde quando o santo curou a filha Nilza). Santana, Luiza, Aparecida, Senhora do Carmo.

Agenda cheia é uma constante: dia 29 deste, ela vai rezar no Bairro do Junco como convidada; no 5 de agosto, reza de São Benedito no Bairro Santos Dumont. Até em Cuiabá ela já esteve em missão várias vezes.




Comentários: ( 17 ) cadastrados.
Por: Maria Aparecida Ribeiro de Oliveira
São Paulo
Te muito admiração por Tia Elza, tenho muitas recordações maravilhosas da reza dela,na casa da tia Leonia,de São João, que meu saudoso Pai,todo ano tava lá,eu fica admirando ela cantar,a Salve Rainha e o meu pai acompanhava, e até mesmo na casa da minha mãe,ela tirou
muitos anos muitas rezas de Nossa Senhora de Fátima,Toda vez que eu vou pra Cáceres,vou na reza dela. Quando quanto a Salve Rainha da uma saudade da minha infância,da minha juventude.Exemplo de mulher, guerreira,meiga,carinhosa,Te amo muito tia.
26/07/2022 16:42:23

Por: Wanessa martins
Rondonópolis
linda homenagem merecida parabéns e ótima matéria
26/07/2022 13:56:50

Por: Nilviane Aparecida Oliveira Moraes
Cáceres MT
Nós da família só temos a agradecer primeiramente a Deus por colocar uma pessoa de fé em nossa família que reza por nós todos os dias faz de coração e agradecer vocês que fizeram essa homenagem a ela merecedora de todo amor e admiração que todos tem por ela. Vó Elza ou como nós netos chamamos ela ( mãe elza ) te amamos de mais❤️🥰
26/07/2022 12:24:44

Por: José Cláudio
Cáceres mt
Dona Elza, mericida homenagem a esta dona que leva a tradição da cultura de Cáceres para toda região, parabéns do Elza.
26/07/2022 08:34:07

Por: Adair Pires de Moraes
Cáceres MT
Dona Elza tirou muitas rezas em minha casa e lembro com saudades daquele tempo que não voltará mais
25/07/2022 21:11:42

Por: Helio Francisco souza cruz de oliveira
Várzea Grande
Uma bela pessoa. E tem um grande coração amo vc de mais mãe elza. Sdd da senhora.
25/07/2022 21:05:38

Por: Márcia Ribeiro de Oliveira
São Paulo
Minha tia Elza , um ser humano sem igual, sou de cáceres , moro em São Paulo, e qdo estou em Cáceres vou a reza de são Gonçalo, e essa tia tem uma voz abençoada
25/07/2022 20:50:19

Por: Cicero Ribeiro de Oliveira
Cáceres
Eu tenho o privilégio de fazer parte dessa linda história, parabéns a essa guerreira que com muito orgulho e respeito , a chamo de mãe.
Parabéns mamãe.
25/07/2022 19:40:21

Por: Sandra Tereza de Oliveira
Cáceres MT
Linda homenagem a minha rainha mãe Elza. Uma mulher de muita fé ,e forte guerreira que o senhor Jesus a abençoe cada vez mais ...adorei a reportagem que veio como reconhecimento das obras que minha mãe Elza faz e ama fazer que são as rezas assim cumprindo a sua devoção....há e o famoso aloá que é maravilhoso feito com todo amor e carinho nunca tomei outro igual. Parabéns mamãe. Te amo ..Parabéns pela reportagens..
25/07/2022 19:06:56

Por: Nilza filha desta mulher guerreira

Tenho o maior orgulho dessa mãe maravilhosa mulher forte e muito especial
25/07/2022 18:56:29

Por: Neuza Zattar
Cáceres
Parabéns Toninho pelo lindo texto que dá visibilidade à história de fé e de rezadeira de D. Elza. Certamente, após está publicação, D. Elza ficará mais famosa ainda.
25/07/2022 18:29:58

Por: ivone
caceres
que amor...vida longa a dona elza.
25/07/2022 11:19:31

Por: Benedito
Cáceres
Minha Madrinha, uma pessoa maravilhosa de muita fé, sempre disposta a servir ao próximo, Deus lê dê forças sempre.
25/07/2022 10:55:15

Por: Jane da Silva Oliveira
Mirassol do oeste
Adorei conhecer melhor essa mulher guerreira coisas de sua vida que eu não sabia por ser minha madrinha admiro ainda mas essa mulher.
25/07/2022 08:47:36

Por: Jones da Silva Oliveira
Cuiabá
Ficou maravilhoso esse verdadeiro documentário dessa pessoa tão honrada e prestigiada, conhecida como tia Elza, parabéns pela matéria e muitos anos de vida para tia Elza que Deus a abençoe com alguem para dar continuidade ao legado, se assim Ele desejar.
25/07/2022 08:33:12

Por: Antônio Júlio Maciel
Gaspar SC
Parabéns merecida homenagem sra. Elza mulher de fe ja participei onde A medma foi rezadeira Rezas de sao Sebastião e outras Ela produz o suculento ALOA bebida nutritiva feita de arroz. Amendoim E milho DEUS abençoe sempre sua trajetória de fe e amor em CRISTO
25/07/2022 08:10:41

Por: Luzeni
Cáceres Mt
parabéns para esta vizinha querida que Deus continua abençoando esta voz linda D.Elza esta no coração do povo Cacerensse.
25/07/2022 08:05:25

Faça o comentário para a noticia: Dona Elza – 63 anos no exercício da fé como tiradeira de reza de santo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.