Zaki News

28/03/2016 - 11:26

Por: G1

Oito pessoas são presas suspeitas de explorar garimpo ilegal em MT


 

Material apreendido para a extração do ouro.

   Oito homens foram presos na noite de domingo (27), na Serra do Caldeirão, no município de Pontes e Lacerda, a 483 km de Cuiabá, por suspeita de extração de ouro sem autorização. Eles têm entre 35 e 66 anos e são de Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Maranhão e Paraná. A maioria já foi liberada depois de pagar fiança, informou a Polícia Civil.

   O garimpo já passou por duas ações de desocupações, mas a região ainda é monitorada em função das frequentes denúncias de que continua ser explorada sem autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral. Atualmente, a área está sob responsabilidade de duas mineradoras que iniciaram pesquisa de ouro no local.

   No domingo, a Polícia Civil foi até o local e encontrou cinco pessoas no pé da serra com materiais relacionados à extração de minérios. E, ao subirem a serra, os policiais localizaram mais três pessoas em situação semelhante. Os oito foram levados à delegacia para prestar depoimento.

   Neste mês, o DNPM concedeu dois alvarás com duração de três anos, para duas mineradoras que apresentaram requerimentos de pesquisa mineral na área nos anos de 1991 e 2000. Esses alvarás abrangem 7.385 hectares entre os municípios de Pontes e Lacerda e Vila Bela da Santíssima Trindade (a 562 km da capital).

  

   Desocupação

   O garimpo na região do município de Pontes e Lacerda passou por duas desocupações por força de uma determinação judicial. A Justiça Federal mandou que as pessoas que estavam no local fossem retiradas e que a área fosse isolada. A área começou a ser explorada em setembro de 2015 e chegou a reunir milhares de pessoas de várias partes do país em busca de ouro.

 

 

 

 

 

 

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Oito pessoas são presas suspeitas de explorar garimpo ilegal em MT

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.