18/11/2014 - 06:03

Por: 24 Horas News

Empresários cobram pagamento da maior obra de mobilidade da Copa e ameaçam fazer barulho em inauguração


   Na véspera de inauguração da maior obra de mobilidade urbana de Cuiabá, donos de empresas terceirizadas que prestam serviços para o Consórcio Sobelltar, responsável pelas obras da trincheira Jurumirim - Trabalhadores, realizaram um protesto na tarde de hoje (17) para receber os valores dos serviços prestados. A preocupação dos empresários é que após a entrega eles consigam receber o valor de R$ 4 milhões. 

   No início do protesto, o secretário da Copa do Mundo, Maurício Guimarães, esteve na trincheira e prometeu efetuar o pagamento ainda nesta segunda-feira. Porém, o movimento foi mantido e as máquinas e materiais seguem impedindo a entrada na trincheira.

   Com um ano de atraso, a “trincheirona” começou a ser construída em 2012, ao custo de R$ 50,5 milhões. Ela tem 960 metros de extensão, é considerada a maior de todas as trincheiras em execução e abrangerá o trecho um pouco antes da Avenida dos Trabalhadores (Av. Dante de Oliveira) até depois do cruzamento da Avenida Jurumirim (Av. Gonçalo Antunes de Barros), próximo ao viaduto da Avenida do CPA. A obra integra o pacote de intervenções de travessia urbana, resultado de um convênio entre Governo do Estado e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Empresários cobram pagamento da maior obra de mobilidade da Copa e ameaçam fazer barulho em inauguração

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.