25/09/2014 - 19:06

Por: Antonielle Costa

Cassação de Júlio por suposta compra de voto é mantida


   O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso manteve nesta quinta-feira (25), a decisão que cassou o mandato do deputado federal Júlio Campos (DEM), por suposta compra de votos nas eleições de 2010. A defesa do candidato tenta reverter a situação e deve recorrer ainda ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

   A cassação foi em julho passado, mas Júlio ainda se mantém no cargo em função da possibilidade de recurso, que concede efeito suspensivo a decisão. De acordo com a denúncia, durante uma operação da Polícia Federal foram encontrados na empresa de Júlio diversos tickets que podiam ser trocados em um supermercado ou num posto de gasolina.  

   A maioria do pleno votou pela cassação. O juiz-membro, Agamenon de Alcântara se manifestou favorável a cassação de Júlio e o juiz Lídio Modesto se declarou suspeito por ter autorizado o cumprimento de mandados de busca e apreensões no início das investigações. O único a votar contra a cassação do democrata foi Samuel Dalia Franca Júnior. Ele votou pela anulação do processo, tendo em vista que as provas colhidas pela Polícia Federal, segundo ele, são inconsistentes. 

   Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, os tickets eram trocados no supermercado Bom Gosto, em Várzea Grande, e no Posto América, em Cuiabá. 

Fim da carreira política


   Júlio Campos já anunciou que sua participação na política se encerra com o fim do seu mandato em dezembro. Agora, o democrata aposta suas fichas na candidatura de seu filho, Júlio Neto (DEM) que disputa uma vaga na Assembleia Legislativa.

   O curioso é que Júlio Neto também é citado no processo por compra de votos. De acordo com a denúncia, Neto era quem distribuía vale alimentação e combustível para a cooptação ilícita de votos.

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Cassação de Júlio por suposta compra de voto é mantida

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.