06/09/2021 - 06:00

Por: Antonio Costa / Zakinews

História de um servo de Deus e apaixonado por Nossa Senhora: Monsenhor Celso Duca


 

Antonio Costa, EXCLUSIVO ao Zakinews

Zakinews traz nesta oportunidade a rica trajetória de um religioso que deixou a Itália, há 63 anos, para vir trabalhar no Brasil. Inicialmente, no interior do Espírito Santo e, posteriormente, radicou-se na próspera cidade de Araputanga-MT, na região Oeste, onde permanece até os dias atuais.

Monsenhor Celso Duca, como é conhecido, irá completar no mês de novembro, 93 anos de idade, dos quais 67 dedicados ao sacerdócio.

A rica história do religioso só foi possível vir a público graças às professoras Elaine Regina Franco, Mariza Brito Aguiar, Cris Colossi e Elizabeth Sato, que repassaram ao site uma síntese do material que estão produzindo, sob a supervisão do padre Celso Ferreira de Jesus.

Reconhecidamente, ele é um dos ícones da região quando se refere ao trabalho voltado à igreja, como também na dedicação e amor ao povo de Araputanga, haja vista a sua decisiva participação em várias frentes de trabalho que resultaram vultosos empreendimentos como se pode observar ao longo do material cedido pelas educadoras.

Monsenhor Celso Duca, 92 anos, grande liderança do município de Araputanga/MT
Foto: Paróquia de Araputanga e Web

O Monsenhor Celso Duca nasceu no dia 24 de novembro de 1928, em Talamona, Província de Sondrio na Valtellina nos Alpes Centrais, ao norte da Itália, divisa com a Suíça no meio de montanhas maravilhosas. Foi o terceiro filho do casal Giácomo Duca e Maria Colombini, com sete irmãos: Ancilla, Palmira, Elvira, Piero, Carlo, Giácomo e Mariuccia.

O primeiro sinal que se teve que seria um sacerdote foi aos seis anos e aos 10 recebeu a primeira eucaristia e o sacramento da crisma, ambos instituídos pelo Bispo Dom Alessandro Macchi. Ao receber esses sacramentos, ouviu seu chamado: “Num momento de escuta, senti o primeiro chamado para ser padre, ao contemplar o padre Cusini no púlpito celebrando a santa missa, imaginei celebrar uma missa como ele lá do altar diante do povo de Deus”, disse Duca.

A partir daí, o garoto Celso Duca, então com 11 anos e meio, ingressou no seminário dos missionários Combonianos na cidade de Como. Fez Noviciado e Teologia na cidade de Venegônio. Teve como professores de teologia o padre Sassella e Pasina e o irmão religioso Ciaponi.

E antes mesmo de completar 26 anos, em 12 de junho de 1954, foi ordenado sacerdote pelo Arcebispo de Milão, o Cardeal Ildefonso Schuster, este, declarado santo no ano de 1996.

No dia 17 de junho de 1954, cinco dias após a sua ordenação, padre Celso Duca, celebrou a primeira missa na Paróquia Nossa Senhora Menina em Talamona sua terra natal.  

O jovem padre escolheu um lema sacerdotal que norteou sua trajetória religiosa: “Fazei-me, Ó Maria, Ostensório de Jesus”. Através deste lema, levo este grande valor, que comunico às almas: “plena confiança na Virgem Maria e na Divina Misericórdia do Sagrado Coração de Jesus”.

Ordenação do Padre Celso  Ducca em 1954 - Foto: acervo pessoal

Logo em seguida foi enviado para trabalhar na cidade de Tróia, onde permaneceu por quatro anos. Seu objetivo era ir para a África ou Angola, anunciar a fé, mas o Espírito Santo lhe deu outro rumo. Ele foi convidado para vir ao Brasil a pedido do Bispo de Vitória-ES. E, segundo Monsenhor Celso, foi uma grande alegria.

O sacerdote lembra que passou seu aniversário de 30 anos dentro do navio Conte Biacamano e, dois dias depois, em 26 de novembro de 1958, chegou ao Brasil. Naquela época, o navio era o principal meio de transportes entre os continentes. A viagem durou 15 dias da Itália até o porto de Santos.

Ao chegar, foi recebido pelo padre Comboniano Don Giovani e foi para Ibiraçu, no norte do Rio de Janeiro, e lá permaneceu durante uns dias. Uma professora muito dedicada começou a lhe ensinar a soletrar algumas palavras em português, pois só falava italiano e latim.


Passados aproximadamente duas semanas na cidade carioca, padre Celso segue de caminhão madeireiro para a cidade de São Mateus e depois para Montanha, no Espírito Santo, uma região de condições precárias.

Apesar de algumas dificuldades que enfrentou naquele Estado, Duca encontrou um povo muito hospitaleiro e receptivo, que o fez encantar pelo lugar e aprendeu facilmente a língua portuguesa. Sua primeira missa, ainda em latim, aconteceu no dia 27 de dezembro de 1958.

Depois de viajar de navio e caminhão madeireiro, padre Celso Duca utilizou de dois cavalos como meio de locomoção para chegar às comunidades rurais. Um muito bonito chamado Pequeno e outro um pouco melhor chamado Peponi, que revezava toda semana.

A vida religiosa e social foi se organizado aos poucos. E a partir de 1º de março de 1959 passou a atender na Capela de Vinhático-ES, e com a colaboração generosa do povo, no dia 03 de maio de 1960, Pe. Celso abençoou a pedra fundamental da nova igreja. E, no Natal daquele mesmo ano, a meia noite, com grande alegria e fé, colocou as relíquias Santas no altar provisório e a imagem da Padroeira.

No dia 22 de agosto de 1961, o então Bispo Diocesano, Dom José Dalvit, em visita pastoral, abençoou a igreja e o altar.

Em 23 de setembro de 1962, chegou solenemente da Itália a nova imagem da Padroeira “Imaculado Coração de Maria” que foi doada pela dona Maria Colombini, mãe de padre Celso. E, logo após ser introduzida na igreja, a Imagem peregrinou por diversas paróquias e capelas da Diocese.

Foi andando e animando junto aos membros das comunidades e com a vinda das irmãs, incentivou a abertura de: escolas, do Hospital  Nossa Senhora da Saúde, várias obras sociais, cooperativas e diversas capelas e o Santuário do Imaculado Coração de Maria, um legado na Arquitetura religiosa de Vinhático no ES.

Em 14 de fevereiro de 1965 foi nomeado como primeiro Vigário da Capela de Vinhático, permanecendo por quase 10 anos, até dezembro de 1974, quando foi convidado para transferir para Mato Grosso.

Padre Celso Duca ao lado do bispo Dom Máximo Biennés nos primeiros anos de sua chegada em Araputanga

CHEGADA EM ARAPUTANGA-MT

Monsenhor Celso Duca, recebeu um convite do bispo da Diocese São Luiz de Cáceres, Dom Máximo Biennés, em 1974, para conhecer a região sudoeste de Mato Grosso e parte da área de jurisdição da diocese.

Assim, após visita preliminar em terras mato-grossenses, Celso Duca gostou da região e no dia 23 de março de 1975, chegou para novos desafios religiosos, com objetivo de evangelizar, coordenar e estruturar a comunidade e a paróquia. Foi o início de grandes mudanças em sua vida.

Dom Máximo Biennés e Padre Celso Duca, numa das celebrações na comunidade de Araputanga


Ainda fazendo parte do território do município de Cáceres, os cidadãos daquela comunidade, hoje Araputanga, fez uma recepção muito calorosa ao padre Celso Duca. O povo aguardou–o na capela São João, de onde se seguiu uma passeata de bicicletas, charretes, carroças, cavalos, percorrendo as modestas ruas da Vila Araputanga. Assim foi cumprimentado por todo o povo, seguido de uma procissão para a capela São José, onde presidiu a Eucaristia e tomou posse da Paróquia.

Tudo ainda era bastante precário, foi necessário improvisar uma caixa de papelão encapada de papel alumínio que serviria de sacrário.

Mas logo umas gentis senhoras (Maria Lina, dona Fizica, dona Adelaide e outras) promoveram um chá de casa nova, para aquisição de utensílios básicos e alguns móveis para os inícios da casa paroquial.

Contou com o apoio de pessoas generosas que lhe ofereciam refeições em suas casas; lavavam e passavam suas roupas, colaboravam na limpeza e organização da casa Paroquial.

Comemoração a padroeira da cidade, Nossa Senhora de Fátima)

A Igreja Matriz

Em 1975 aconteceu o lançamento da pedra fundamental para construção da tão sonhada Igreja Matriz de Araputanga. Ainda na lembrança dos antigos moradores da localidade, as mulheres catando pedras de tapiocanga para fazer a base do templo. Foram 82 caminhões de brita diretamente de Cáceres; o cimento era de Corumbá-MS; e o ferro de Belo Horizonte-MG.

Dois anos e meio de uma marcante união e trabalho, eis que surgia o maravilhoso templo. “Um milagre”, assim atribui a edificação o Monsenhor Celso Duca.

O Bispo Dom Máximo Biennés, sempre presente nas comunidades rurais da Diocese, criou e instalou, em 1976, a paróquia de Araputanga. A partir de então, nasce o projeto de construção de uma nova Igreja Matriz em honra à Virgem de Fátima. Novamente o que se viu foi a maciça participação da comunidade no engajamento de mais esse projeto religioso.

A comunidade de Araputanga, em 1977, deixa de pertencer a Cáceres e passou a ser distrito no recém-criado município de Mirassol D´Oeste, que, nessa condição, durou somente dois anos. Em 1979, Araputanga se torna município.

Em 1982 chegou a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, doada pelo Santuário Internacional de Fátima, em Portugal. A Consagração da Nova Matriz e a declaração oficial como Santuário Mariano Diocesano de Cáceres, acontece em maio de 1984. Desta forma, o dia 13 de maio foi considerado feriado municipal em honra à Padroeira de Araputanga Nossa Senhora do Rosário de Fátima, pela Lei n° 170/93.

Em 2003, a ordenação do padre Evandro Stefanello

As ordenações 

Em sua rica história, a paróquia de Araputanga presenciou a ordenação de vários sacerdotes, dentre os quais José Maria Basílio (1991), Hilário Mendes Ribeiro (1991) feitas pelo Bispo Dom Máximo Biènnés no ano de 1991 e Evandro Stefanello, em 2003, além de Celso Ferreira de Jesus, em 2011 e Tiago Ferreira de Jesus no ano de 2020.

A partir de então os trabalhos foram frutificando e a paróquia foi se estruturando. Com a ajuda de valorosos leigos, muitos outros projetos foram realizados e foram se solidificando, tais como a Fundação Arco-Íris, Faculdade Católica Rainha da Paz, Coopnoroeste, Sicredi, Escola Padre Anchieta, Mosteiro Nossa Senhora das Alegrias, entre outros.


Visita ao Papa João Paulo II


Suas obras em Araputanga

O Monsenhor Celso Duca, hoje com 92 anos de idade e 46 anos radicados no município de Araputanga, é sem dúvida uma das grandes, senão a maior, liderança inconteste do município de Araputanga.

O seu envolvimento no desenvolvimento junto à comunidade, não ficou restrito ao lado espiritual e religioso. Os grandes empreendimentos que contribuíram e vem contribuindo com o crescimento econômico de Araputanga, tem a participação direta ou indireta do Monsenhor Celso.

Padre Celso Duca foi sócio fundador, juntamente com 31 pessoas, da criação da primeira cooperativa de Mato Grosso, a Coopnoroeste, aproveitando o grande potencial da bacia leiteira que a região oferece e instalou uma indústria de lacticínios e seus derivados.

“Lembro como se fosse hoje as primeiras reuniões que fizemos‚ onde me reuni com grupo de pessoas para falar sobre o cooperativismo e começarmos as primeiras ações para a fundação da Coopnoroeste”, relembra Celso Duca.

Hoje a Coopnoroeste gera empregos diretos e indiretos nas regiões Vale do Jauru‚ Guaporé e Cabaçal. A semente plantada em 1975, germinou e colhe frutos e contribui com o desenvolvimento da cidade.

Na área educacional, padre Celso criou a Obras Sociais da Comunidade de Araputanga – OSCA, que atendia 180 crianças e jovens com atividades de apoio na capacitação profissional em gráficas, marcenaria e confecções de camisetas.


 


Em 31 de março de 1986 a escola Padre José de Anchieta deu início às atividades educacionais , com a educação infantil, fundamental e médio. Padre Celso sempre manifestava que os alunos precisavam de preparo para seguir sua vida de cidadania com capacitação.

Outro envolvimento que tem sentido na trajetória do padre Celso é a criação da Faculdade Católica Rainha da Paz em 25 de junho de 1999 (início do funcionamento em 13 de março de 2000), oferecendo à comunidade local e regional os cursos de Licenciatura em Letra e bacharelados em Administração e Ciências Contábeis.

Padre Celso Duca numa das várias solenidades de Colação de Grau da FCARP, acompanhado pelo padre Celso Ferreira de Jesus


Hoje a FCARP ampliou a oferta de cursos com Licenciatura em Educação Física, Sistemas de Informação, Direito, Gestão da Tecnologia da Informação, entre outros.
O objetivo maior da faculdade é proporcionar aos cidadãos da região formas de qualificação profissional de qualidade para que tenham condições de propor soluções alternativas para as necessidades da sociedade contemporânea.

O social não poderia ficar de fora das atividades do padre Celso Duca. Ele implantou a Caritas com a missão de trabalhar para construir um mundo melhor para os pobres e oprimidos. Hoje a Caritas arrecada alimentos, cobertores, entre outros e todos os primeiro domingo de cada mês, acontece na Igreja Matriz, a Missa da Partilha, onde os fiéis podem levar suas doações.

Através dos meios de comunicação, padre Celso Duca teve participação na fundação da Rádio Difusora Arco-Íris e da Fundação Arco-Íris de Araputanga. A primeira em 1989 e a segunda em 1993, fazendo com que suas mensagens atingissem os municípios do Vale do Jauru e a promoção e incentivo das atividades cívicas e religiosas, resgatando e preservando a cultura regional e nacional, através dos meios de comunicação social.

Depois da Coopnoroeste, padre Celso Duca ousou em 1989 ao incentivar a fundação da Cooperativa de Crédito Rural do Noroeste de Mato Grosso, na época chamada de (Credinoroeste), mais tarde em 1998 uniu-se ao Sistema Sicredi. A Sicredi Noroeste (hoje Sicredi Biomas) nasceu no berço de uma cooperativa já existente, a Coopnoroeste, onde foram feitas as primeiras reuniões para sua constituição.

Muitas outras obras foram realizadas para o bem-estar social e o crescimento de Araputanga, através da parceria entre a Igreja, na pessoa do padre Celso Duca e a Comunidade que muito ajudou no crescimento da cidade e impulsionou outras obras de cunho social.

Na liderança do Monsenhor Celso Duca, a comunidade araputanguense viu o município crescer e se destacar na região Oeste. Assim, ele se torna num dos maiores líderes religiosos de Mato Grosso: tem o carinho, a consideração e o respeito do povo de Araputanga.

Monsenhor é um título eclesiástico de honra conferido pelo Papa a sacerdotes da Igreja Católica por serviços prestados à Igreja ou pelo exercício de funções eclesiásticas de governo ou de diplomacia.

Por sua contribuição em prol do desenvolvimento da cidade de Araputanga e consequentemente, do Estado de Mato Grosso, Hermínio Celso Duca foi agraciado com o Título de Cidadão Araputanguense e Cidadão Mato-grossense. A homenagem estadual foi feita pelo então deputado estadual Airton Português, em 2009, que concedeu o título de Cidadão Mato-grossense, está registrado nos anais da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, através da Resolução nº 1.136, de 26 de março de 2009.

Padre Celso Duca foi homenageado pela Assembleia Legislativa de MT com o Título de Cidadão Mato-grossense, de autoria do deputado Airton Português


Dom José Vieira de Lima, um dos grandes amigos do Monsenhor Celso Duca


O site aproveita a amizade que o Bispo Dom José, da Diocese de Cáceres, tem ao longo dos anos com o Monsenhor homenageado, e, traz dele uma mensagem a qual registramos para conhecimento de todos:


Mensagem do Bispo Emérito, Dom José Vieira de Lima, da Diocese de São Luiz de Cáceres-MT

“Jovem padre, cheio de idealismo e sonho, um coração cheio de ardor de anunciar a Palavra de Deus e, assim promover a justiça, a paz e o amor. Sonhava realizar sua vocação missionária em terras longínquas para lançar a semente do Evangelho de Jesus.

Deixou sua pátria, a Itália, e partiu como missionário para o Brasil e chegou em Mato Grosso onde foi recebido por Dom Máximo, bispo da Diocese de São Luiz de Cáceres.

Dom Máximo o envio como pároco missionário em Araputanga, cidade que nascia no meio da floresta. Assumiu e organizou a paróquia Nossa Senhora de Fátima e desde o começo em nome da fé cristã, e do profundo compromisso de amor a Deus e ao próximo, fixa residência e começa o seu trabalho cheio de esperança e sonhos, fortalecido por uma vida de compromisso missionário. Fez de tudo de coração para chegar a uma cultura de amizade e de solidariedade, pois, sabia que precisava da união de todos para construir laços de comunhão, proximidade e de amor e, assim semear em toda paróquia, rede de fraternidade e solidariedade.

Isso significa compartilhar boas ideias, colocar corajosamente a “mão na massa”, como costumamos dizer dizemos.

Quando se pensa junto, se caminha junto, os sonhos se realizam. Os gestos concretos, as ações dinâmicas e os trabalhos florescem e dão testemunhos de amor que une e dá solidariedade para o bem comum.

Como pároco faz a nossa Igreja cumprir sua vocação de ser sacramento de salvação, como a boa samaritana que via a necessidade de seu povo e se faz presente como sacerdote, como cidadão compromissado com o povo de sua paróquia.

Durante a sua vida em Araputanga e na Diocese de São Luiz de Cáceres, Monsenhor tem se mantido fiel a esse preceito evangélico e levado com ardor, dedicação e empenho, aquela revelação que Jesus fez aos seus discípulos: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância” - Jo 10, 10.

Monsenhor Celso, nossa amizade, nosso respeito e nossa admiração pela sua vida, pelo seu trabalho e pela sua ação missionária.

Que Nossa Senhora de Fátima o abençoe e o fortaleça no meio de nós por muitos e muitos anos!”, finalizou Dom José. 


Hoje, o Monsenhor Celso Duca, se encontra em cadeira de rodas devido a decadência física em decorrência da idade e cercado de carinho pelos paroquianos e especiamente, o padre Celso Ferreira de Jesus, além de amigos mais proximos - Foto: Web

Monsenhor Celso Duca na celebração de 10 anos de sacerdócio do padre Celso Ferreira de Jesus - Foto: Marisa Brito Aguiar


 

Comentários: ( 25 ) cadastrados.
Por: Erivaldo pereira filho de mimo
São Mateus ES
Este padre é merecedor de tudo estes elogio pois quantas vezes meu pai agradeceu a Deus por este padre ter trazido um caminhão da segunda guerra. pois era o único que tirava o arroz da roça pois nós era plantador de arroz na região de Araputanga.este padre é um verdadeiro cavaleiro do templário que Deus te abençoe sempre guerreiro de Deus.
22/11/2021 15:26:29

Por: Reinaldo de Oliveira Fernandes
Araputanga
Me lembro com emoção da chegada do monsenhor meu pai(Zico luciano) gritava em autos brados obrigado Jesus agora temos padre, isto em1975, fui coroinha por vários anos e continuo até hoje graças Deus, somos um povo abençoado.
02/10/2021 13:25:47

Por: Gabriela
Caceres_mt
Que história linda, padre Celso um religioso que viu a necessidade de guiar o seu rebanho, com exemplos de santidade, humanidade para com o próximo, ensinado valores, acima
de tudo não perder a fé.
14/09/2021 16:24:00

Por: Dorvelina de Souza Ramos Oliveira
Vinhático ES
São inúmeras obras deixada pelo hoje Monsenhor Celso Duca em Vinhático
Montanha ES . Santuário Imaculado Coração de Maria de recorda com gratidão do trabalho religioso e social em nosso meio.
Que Deus o abençoe sempre sua vida e o santifique para alegrias fraterna.
Obrigada Deus o recompense.
Abraço carinhoso Vinhaticense .
09/09/2021 01:45:06

Por: MARISA BRITO AGUIAR
Araputanga
Trabalhei com ele na catequese batismal por aproximadamente 3 nos, mais 22 na catequese da crisma e continuo trabalhando na Fundação Arco Íris de Araputanga. Tenho muito apreço por essa pessoa batalhadora, empreendedora, humana e santa! Ele continua apaixonado por Nossa Senhora. Ele é nosso intercessor. Gratidão Monsenhor Celso Duca.
08/09/2021 14:00:39

Por: Maria do Carmo Teixeira Alves
Tabaporã MT
Fui catequista em sua paróquia e participação na liturgia.
Aprendi muito com esse grande Padre 🙏
07/09/2021 21:42:53

Por: Claudomiro Savoine
Glória D'Oeste-MT
Justa homenagem ao Padre Celso, um Cristão acima do seu tempo, o oeste deve muito a ele.
07/09/2021 14:20:07

Por: Benedita Ivone Adorno
Cáceres
Monsenhor Celso, Minha grande inspiração, por quem nutro imenso respeito e admiração! Sou eternamente grata por Ele ter me confiado um pouco da missão no trabalho que o torna nosso grande exemplo de ser humano que dedicou sua vida para dar o melhor para a vida de tantas pessoas! Fraterno abraço querido Monsenhor!
07/09/2021 09:31:11

Por: Rosimeire Jaldi
Vittorito
Una persona dinamica e volenterosa.dio benedica.o monsenhor.lui è stato qui nella mia casa.in italia.e venuto della sua famiglia e me e venuto a trovarmi qui in Abruzzo . lontano dalla sua regione Talamona
07/09/2021 09:00:58

Por: Cleuza Giacometti
Juara mt
Lembro de sua chegada em Araputanga quando morravamos em Farinopolis. Celebrava la na comunidade e depois almoçava em nossa umilde casa e meu pai o levava de caroça ate seu carro. Gratidão padre Celso
07/09/2021 08:30:54

Por: Fabio souza moreira
De araputanga para lacerda
Ele para mim foi um ótimo Padre para Araputanga eu fui batizado pelas mãos dele senhor Hermínio Celso Duca muito obrigado por estar participando desta linda história
07/09/2021 01:42:26

Por: Raimundo Severino da Paz
Cuiabá
Daria tudo da vida para reviver os momentos de trabalho que tantas vezes fizemos. As varias horas em lombos de cavalos as vezes em um Jipe, no sol na chuva; mas ele nunca faltava aos compromissos nas comunidades. Esse homem é incrivel.Ele é a persistência viva, é a manifestaçao da fé. UM VERDADEIRO CAVALEIRO DO TEMPO. Parabéns reportagem parabéns professoras. Essa homenagem é da hora.
06/09/2021 21:12:41

Por: Juberto Babilônia
Cáceres
Homenagem merecida. Final da década de 80 servi como cruzadinha e por muitos anos como coroinha na paróquia Nossa Senhora de Fátima. Tenho pelo monsenhor o maior respeito e carinho, o cristão e homem que sou hoje devo aos seus conselhos e seus exemplos. Sempre foi firme nas palavras mas com um coração amoroso e respeitador 🙏🏻🙏🏻.
06/09/2021 17:07:39

Por: Selma de Oliveira Fernandes
Porto Esperidião
Monsenhor o maior conselheiro espiritual que conheci exemplo de fé incomparável.
06/09/2021 14:26:16

Por: Odair Doniseti Ribeiro
Três Corações MG
Estive a graça de conhece-lo, estudar por um tempo na faculdade Rainha da Paz. Cinto essa paz e uma saudade dolorida e gostosa de todos os que eu pude conhecer. Me alegro de onde eu estou trazer essa gente no meu coração, vejo por aí a beleza de ser católico, pois os comungo no Cristo que nos uni...se não me falhe a memória, eu fui um dos apresentador da primeira semana de letras... despeço-me em lágrimas...
06/09/2021 13:16:00

Por: Priscila Pereira dos Santos Alvarez
Araputanga
Um exemplo de ser humano. Precisou sair de tão longe para trazer o seu amor por nossa cidade e empreendedorismo. Admiração por este exemplo de homem e sacerdote.
06/09/2021 11:45:45

Por: Giane
Araputanga
Grande homenagem! Pessoa de uma bondade inigualável, uma vida inteira dedicada a Deus, aos menos favorecidos...Um exemplo de humanidade, de generosidade e AMOR! Saúde é o que mais desejo ao p.Celso, pois a salvação é mais que certa, filho amado por todos e principalmente por Ele. 🙏
06/09/2021 11:28:06

Por: Airton Rondina Luiz
Araputanga
Parabens uma das matérias mais lindas que eu já li falando dessa pessoa que tanto fez pela nossa comunidade Padre Celso que esta passando por uma dificuldade na saúde mas ele e protegido por Deus e Nossa Senhora de Fátima
06/09/2021 10:47:06

Por: Waldelúcia Maria Silva Pivetta
Araputanga
Padre Monsenhor Celso ! Deus vos pague por tanta bondade e dedicação. Nossa Senhora o abençoe com muita saúde!
06/09/2021 09:59:32

Por: Paulo Cesar Homem de Melo
Cuiabá
Esse memorial que vocês nos trazem, fazendo com que nós que conhecemos Padre Celso, conheçamos melhor sua vida, vida essa que conclamada serve de exemplo para toda uma juventude e por que não, a todos nós que ainda teremos ,que seja pouco tempo, mas que tenhamos um átimo de aplicar os ensinamentos de um verdadeiro ser humano .
06/09/2021 08:57:50

Por: janaina
caceres
homenagem muito bonita, padre humilde e com uma luz especial.
06/09/2021 08:47:58

Por: Lucelia
Cáceres-MT
Araputanga tem sorte com uma presença tão especial como essa...padre Celso é merecedor de todas as benções, que ele se fortaleça novamente e consiga curtir os dias com saúde e paz. Linda matéria!
06/09/2021 08:24:49

Por: JEFFERSON ANTONIONE RODRIGUES
ARAPUTANGA
O nosso Monsenhor é com toda certeza o nosso ícone em religiosidade e fé cristã. Devoto de Nossa Senhora é o inspirador de grandes obras, dentre elas não somente as de cunho religioso, como também as sociais em prol da fraternidade e da propagação do espírito santo na vida de seus servos. Um grande exemplo à todos nós!
06/09/2021 08:01:17

Por: Ondina Oliveira dos Santos Carvalho
Araputanga MT
Tive a honra de cuidar dos coroinhas por 14 anos e meio indo à igreja todos os dias e estar junto do Monsenhor por todo esse tempo.Aprendi muito, só tenho q agradecer.
06/09/2021 07:42:06

Por: Flavia Damaceno
Cáceres
Que Deus abençoe o senhor padre, obrigado por contribuir com tanto amor pela nossa sociedade.
06/09/2021 07:04:05

Faça o comentário para a noticia: História de um servo de Deus e apaixonado por Nossa Senhora: Monsenhor Celso Duca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.