20/07/2020 - 09:00

Por: Wilson Kishi e Antônio Costa

Freis holandeses: Missão dada, missão cumprida


Por: Wilson Kishi e Antonio Costa


   A verdadeira essência da frase “missão dada, missão cumprida” é o que marcou a passagem dos freis holandeses em Cáceres. Uma articulação do Mons. Máximo Biennés que começou em agosto de 1956, em que se buscava religiosos de outros países para trabalharem no Brasil, com vistas a realizar uma das duas promessas de Dom Máximo: concluir as obras da catedral e reabrir o Colégio dos Padres, fechado por conta da Segunda Grande Guerra.

   Depois de várias solicitações, Máximo Biennés conseguiu resposta da Terceira Ordem de Religiosos (TOR), em 28 de fevereiro de 1957, informando que no mês de outubro daquele mesmo ano, três freis holandeses da Congregação Irmãos de Huijbergen (fundada em 1854, na Holanda), viriam à Cáceres com o intuito de contribuir com a educação, saúde e a comunidade em geral.

   Assim, em outubro de 1957, chegava em Cáceres os freis holandeses, Panphilium, Giuseppe e Bertrand, com a missão de administrarem a Escola Santa Maria que depois se transformou em Instituto Santa Maria.

   Na solenidade de inauguração da escola, Mons. Máximo profetizou em suas palavras sobre a grandeza que os freis deixarão para a cidade. “Profundamente comovido, saúdo a nobre assistência presente nesta inauguração do Instituto Santa Maria, em especial os três freis Panphilium, Giuseppe e Bertrand, que responderam ao nosso apelo e, desde já, pertencem à família cacerense. Vocês são a promessa e os primeiros marcos de maior empreendimento educacional na cidade de Cáceres”, disse o missionário.

Colégio dos Freis, funcionava na Avenida Sete de Setembro, até início dos anos 60, antes da transferência para o bairro da Cavalhada


   Inicialmente, o Colégio São Luiz funcionava na Avenida Sete de Setembro e depois, em 1960, já iniciava a construção do ISM no bairro da Cavalhada. Três anos depois, em 1963, as primeiras aulas já aconteciam no novo prédio, com quatro salas e uma escadaria para o segundo pavimento. Nos anos seguintes, contribuições financeiras vindas da Holanda e França deram condições de concluir o projeto da construção.

   O trabalho foi aos poucos se desenvolvendo pelos missionários holandeses: educação; uma tipografia, comandada pelos freis Cassimiro e Martinho; depois, uma marcenaria, chefiada pelo frei Marino; atividades esportivas e lazer, com passeios de bicicletas até a Cachoeira da Piraputanga (uma novidade para a época); banda da escola, que depois se tornou a Fanfarra do Instituto Santa Maria e Fanfarra Frei Matheus.

   Dom Máximo conta, em seu livro, que nas décadas de 60 e 70, a banda da escola do Instituto Santa Maria era uma atração à parte. “A banda dos freis, do Ir. Matheus, desfila em todas as horas solenes e significativas da instituição e da cidade, para a maior satisfação dos participantes”, citado em um trecho do livro Uma Igreja na Fronteira.

   E a atração da fanfarra continuou nos anos 80, chegando a ter 115 integrantes e conquistou o título de melhor fanfarra do Estado de Mato Grosso no ano de 1982. A competição aconteceu em Cuiabá, na Avenida da Prainha, próximo ao Ginásio São Gonçalo, seguindo para a Rua 15 de Novembro. Momentos antes de iniciar as apresentações das fanfarras uma forte chuva caiu no local. A fanfarra dos freis foi a única a permanecer na avenida até a sua apresentação. A evolução desenvolvida pelos alunos do ISM foi simbolizando a logomarca da Copa do Mundo de 1982 e recebeu aplausos do público e dos jurados. Segundo informações, a vitória conquistada pela fanfarra do ISM foi resultado de disciplina, ritmo e comprometimento, fruto dos ensinamentos do mestre frei Matheus.

   Nos desfiles cívicos de Sete de Setembro e nas festividades comemorativas de aniversário de Cáceres, em 06 de outubro, a fanfarra do Instituto Santa Maria também continuava recebendo aplausos do público.

   No início deste século, a fanfarra ficou adormecida por alguns anos, até que em 2012 os antigos fanfarreiros decidiram reativá-la, como forma de prestar homenagem ao seu mestre, denominando a partir dessa data de “Fanfarra Frei Matheus”.

Dia 07 de Setembro de 2012, marcou o retorno da Fanfarra nos desfiles cívicos, com 70 integrantes (só veteranos)


   Naquele ano a emoção tomou conta da família do Instituto Santa Maria quando a fanfarra, com aproximadamente 65 integrantes (só veteranos, inclusive de residentes fora de Cáceres) adentraram na avenida Sete de Setembro para sua apresentação que foi comandada pelo Wagner Cintra da Silva, (Pio) e acompanhado de perto pelo mestre frei Matheus, com vários momentos de aplausos da população presente.

   Na frente do palanque de autoridades, de forma simbólica, Frei Matheus entregou uma baqueta, transferindo a direção geral da fanfarra para Carlinhos Viana, e um apito ao Vagner Cintra da Silva (Pio), para ser o instrutor.

Em 2012, Frei Matheus entregou a paqueta e o apito para Carlinhos Viana e Pio, respectivamente e se emocionou. Era a passagem de comando para os antigos integrantes da fanfarra. 


   A partir de 2012, praticamente todos os anos a fanfarra Frei Matheus vem se mantendo sob a dedicação voluntária de Pio, Carlinhos Viana e Ronil do Carmo, ensinando os atuais alunos do Colégio Salesiano e com os veteranos que fazem questão de se apresentarem nessa fanfarra que se tornou um dos símbolos da cultura cacerense.

   Outro trabalho significativo e importante empreendido pelos religiosos holandeses foi a fundação do Hospital O Bom Samaritano, em 1972, liderado pelos freis Bertrand e Gumaru, numa época de grandes incidências de casos de doenças de pele e tuberculose. A ajuda veio da Fundação Memisa da Holanda e da sociedade local. Anexo ao hospital, destinou espaço à Casa de Apoio, para acolher pessoas de outros municípios que vinham receber atendimento no HOBS. Não esquecendo ainda a Fundação Casa de Maria e José, fundada em 13 de agosto de 2001, que abriga 10 casas para idosos de baixa renda, dando mais dignidade no modo de viver. 

   Além do hospital especializado em doenças tropicais, teve também a fundação da APAE de Cáceres, em 31 de agosto de 1976, com influência direta do frei Gumaru, em parceria com o Rotary Club de Cáceres, com o missionário sendo presidente por vários anos. Foi de fundamental importância a atuação do religioso no sentido de conseguir recurso financeiro que possibilitasse a construção da sede própria da entidade. O frei sempre esteve na linha de frente com outros abnegados locais na atuação dinâmica para possibilitar o funcionamento perfeito da entidade.


   A Igreja Imaculada Conceição, no bairro da Cavalhada, também foi outra obra construída pelo frei Bertrand. Ela era a casa adotada pelo frei Grignion, único frei que foi ordenado sacerdote. Padre Grignion faleceu em Cáceres no dia 13 de abril de 2014 e está sepultado na entrada da própria Igreja Imaculada Conceição.

   Voltando ao foco de trabalho encetado pelos holandeses, Dom Máximo Biennés tinha convicção que os jovens que passariam pelo Instituto Santa Maria seriam encaminhados para a vida com ocupações em seus bons lugares na sociedade, graças aos ensinamentos educacionais, moral e religioso praticados pelos freis. “A vinda dos freis franciscanos são obras de Deus e dádiva da Providência e presente do nosso pai São Francisco”, registrou Biennés em seu livro.

   Ao todo, foram 16 freis que tiveram envolvimento direto na formação de milhares de estudantes através dos 60 anos de atuação do Instituo Santa Maria. Foram eles, pela ordem de chegada em Cáceres, 1957:  Bertrand Hereygers (Bertrando), Giuseppe Soeterboerk, Pamphilius; 1958: Martin Simons (Martinho); 1960: Wilhelmus Theodorus Maria Sterke (Gumaru), Radboud Van Zwisten (João); 1962: Cosmas Rijk, Grignion Hemel, Philippus Luijten (Felipe), Casimirus Kuijpers (Casimiro); 1963: Mauritio Oomen (Maurício); 1964: Mathys Jacobus Michiel Feyen (Matheus); 1966: Clemento Huijben (Clemente); 1969: Victorinus Hendriks (Vitonino), Sérgio; e 1971: Marinus Cornelis Vermeer (Marino).

   Desses, os únicos a permanecerem com vida são os freis Gumaru, Matheus e Marino. E são para eles, em nome de todos os outros freis, que Zakinews e sociedade cacerense rendem as justas homenagens para um período importante no desenvolvimento de Cáceres. Ao todo, 63 anos da presença dos freis holandeses na Princesinha do Paraguai. Vocês MARCARAM A HISTÓRIA em Cáceres.

Em dezembro de 2019, Freis Marino, Gumaru e Matheus, na capela no interior da residência, anexo a escola Salesiano Santa Maria


O retorno... com “Missão cumprida”

   A data de 16 de julho de 2020, dia de Nossa Senhora do Carmo, entra para a história como o encerramento definitivo dos trabalhos da Congregação dos Freis Holandeses em Cáceres-MT, após mais de 60 anos de atuação em prol do setor da Educação e das Obras Assistenciais.

   A população local, especialmente aquela formada por ex-professores e ex-alunos, foi tomada de um sentimento de fortes emoções e muita saudade, quando em dezembro de 2019, Zakinews trazia a informação de que os religiosos holandeses já tinham data marcada do retorno ao país de origem, a Holanda, para o mês de maio de 2020. Ver matéria aqui.

   Era unânime a opinião de que os freis não deveriam deixar Cáceres, pois aqui permaneceram por mais de meio século, e aqui deveriam ficar até os últimos dias de suas vidas. Mas ordens superiores vindas da Holanda, determinavam que o destino deles estava definido.

   Ordens superiores não se discute, se cumpre. E assim foi feito. Com o passar dos dias e a aproximação do prazo final, o que se viu foi um sentimento de imensa saudade que já passava a invadir corações. Mas também gratidão, reconhecimento e manifestação de carinho tentavam retribuir toda a vida de trabalho e luta dos religiosos holandeses, que além de Cáceres, plantaram frutos de dedicação e saber nas comunidades de Formosa-GO e Tefé no Amazonas.

   Em rede sociais, ex-alunos e ex-integrantes da fanfarra foram criando grupos para organizarem a melhor forma de se despedirem dos freis. Um grupo com 47 pessoas elaborou um vídeo homenageando o trabalho dos freis holandeses. Em resumo, as mensagens foram: “Gratidão e saudade são as palavras que definem nossos sentimentos por esses freis que muito fizeram por todos nós. Os freis transformaram muitas vidas. Vai ficar na alma, bem dentro do coração e na memória as muitas recordações deixadas por eles aqui”. Assista Aqui o vídeo dos ex-alunos.

Grupo de ex-alunos do Instituto Santa Maria, gravam vídeos em agradecimento aos freis holandeses.


   Tiveram alguns que relembraram fatos marcantes que nunca serão esquecidos. “Os treinos da fanfarra, as aulas de educação artística, o trabalho na horta, o ponto de fuga nas aulas de desenho do frei Matheus, a gaiola de cartolina e até os puxões de orelhas dos freis...”, tudo isso são lembranças gratificantes que marcaram a vida dos alunos do ISM em manifestação gravada e entregue aos freis, como lembrança.

   As cerimônias de despedida começaram com a Prece de Despedida a cargo do diretor do agora Salesiano Santa Maria, Padre Sandro Giancola. Em razão das medidas de segurança por conta da Covid-19, um número reduzido de pessoas e autoridades se fizeram presentes. Na oportunidade, o prefeito Francis Maris agradeceu o trabalho desenvolvido pelos freis, e os presenteou com cópia de um vídeo com imagens e depoimentos dos integrantes da Fanfarra Frei Matheus, além de uma coleção de fotos dos pontos turísticos de Cáceres.

Dia 30 de junho, na quadra do Salesiano Santa Maria, foi realizada, pelo padre Sandro, uma Prece de Ação de Graça para os freis Gumaru, Matheus e Marino. Na oportunidade o prefeito de Cáceres, Francis Maris Cruz entregou lembranças aos missionários
Padre Antenor Petini também prestou homenagens aos freis holandeses
Professora Argélia Fanaia apresentou um breve relato sobre a atenção especial dada pelo frei Gumaru aos professores e funcionários


   Além da professora Rosália Maciel, que fez uma das preces, coube à professora aposentada, Argélia Fanaia, homenagear os últimos freis que permaneceram em Cáceres. Ela relembrou da atenção especial dada pelo diretor frei Gumaru aos professores e funcionários, comparando-o a um verdadeiro pai. “Vocês deixarão gravado em nosso coração um sentimento de ter-nos vivido dias maravilhosos e felizes na companhia de vocês. Conseguiram fazer a nossa escola numa verdadeira família. Hoje, o sentimento que fica é de gratidão e imensa saudade”, disse Argélia, muito emocionada.

   Também enalteceram a atuação dos religiosos o Bispo Diocesano Dom Jacy Diniz Rocha e o Padre Antenor Pettini. Muita emoção o ato de despedida conseguiu impor aos presentes. Dom Jacy, ao final de sua fala, resumiu em poucas palavras o que representou os freis holandeses em Cáceres.

   “Os religiosos são chamados a fazer de sua vida fraterna e de suas obras, anúncio explícito do Evangelho, principalmente aos mais pobres. São chamados a viver uma vida missionária, apaixonada pelo anúncio de jesus que se faz presente nos mais pequeninos e nos últimos da sociedade. Esta foi a vida, a missão e o testemunho dos freis holandeses nestes 63 anos de presença missionária na Diocese de Cáceres. Frei Gumaru, Matheus e Marino, levem com vocês nosso reconhecimento, nosso agradecimento e nossas orações! Gratidão por tudo!”, disse Dom Jacy.

Mobilização, saudade e emoção.

   Já o grupo “Fanfarra Frei Matheus”, com 57 ex-integrantes, organizaram no último sábado, 11, uma carreata com mais de 30 carros que passaram em frente à escola do ISM, hoje Salesiano Santa Maria, acenando para os freis Marino, Gumaru e Matheus, que se encontravam posicionados recebendo o reconhecimento num gesto de carinho e de despedida. Uma mensagem gravada de sete minutos transmitia o sentimento dos fanfarreiros do frei Matheus.


    Na manhã de quarta-feira, 15, véspera da saída de Cáceres, os freis Gumaru e Marino, acompanhados do padre Sandro Giancola, concederam entrevista no programa Espaço Livre, da Rádio Difusora, para se despedirem da comunidade cacerense. O frei Gumaru disse que foi muito bom estar em Cáceres e foi um sonho realizado pela vocação que escolheu. Disse que Cáceres o recebeu com muito respeito e manteve durante todos esses anos. O frei Marino, que formou centenas de profissionais de marcenaria, disse que a despedida é muito cruel, mas leva para a Holanda muitas boas lembranças de Cáceres. O padre Sandro conclamou a todos para a carreata de despedida com saída no dia seguinte, 16, às 06h30, do ISM até a BR, no Caranguejão, saída para Cuiabá.

   Na quinta-feira, Dia Consagrado a Nossa Senhora do Carmo, antes das seis da manhã, um grupo de amigos especialmente de ex-alunos e amigos, começavam a chegar no Colégio para se despedirem. O bispo Dom Jacy Diniz Rocha fez uma breve oração aos freis e os agradecimentos finais. Do local, uma carreata organizada pelo padre Sandro conduziu os religiosos até o Caranguejão.

Na foto acima, Dom Jacy ao lado dos freis Marino, Gumaro e Matheus e a sua direita, Geraldo Leão, que fez companhia até São Paulo
Alguns amigos fazendo uma oração momentos antes da saída dos freis para sua viagem de retorno à Holanda
Quase uma centena de carros fizeram a carreata de despedida aos freis holandeses
 
 
No Caranguejão, última para e ultimo aceno aos amigos e ex-alunos do ISM


   Frei Gumaru, Matheus e Marino, partiram na companhia do empresário do ramo de turismo, Geraldo Leão da Silva, que a pedido do bispo Dom Jacy, foi incumbido de acompanhar os missionários até o embarque internacional na cidade de São Paulo. Uma van especialmente fretada, conduzida por Nelson Mendes, levou os passageiros até o aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande.

Último adeus em MT

   Na capital, mais um grupo de ex-alunos renderam as últimas homenagens aos holandeses em solo mato-grossense. Por volta das 12h30, a aeronave da Gol levantou voo com destino à São Paulo. O empresário Geraldo Leão deu toda assistência aos freis na chegada no aeroporto de Guarulhos e hotel até o dia seguinte, 18, no embarque internacional marcado às 15h30, horário de Brasília, com destino à Amsterdam.

Na chegada ao Aeroporto Marechal Rondon, os freis foram recepcionados por dezenas de cacerenses que moram na Capital
 
 

   Durante o jantar, no hotel em São Paulo, com exclusividade ao Zakinews, Geraldo Leão repassou as últimas mensagens deixadas pelos freis holandeses.

   Frei Matheus, 84 anos, ao ser questionado de estar levando apenas uma mala com as suas roupas, disse que a missão dada à eles foi de servir as pessoas. “Nós estamos aqui para servir a vida toda e dedicar ao próximo. São características nossas dos freis, a pobreza, desapegar das coisas materiais, o objetivo é servir os outros”, disse frei Matheus.

Durante o lanche no hotel em São Paulo, frei Matheus disse que a missão foi de servir aos outros

   Frei Gumaru, 87 anos, destacou o resultado do trabalho educacional implementado e se emocionou com a despedida em Cáceres e Cuiabá. “Nós que somos religiosos, tivemos toda a disposição para vir para cá (Cáceres) e estou satisfeito porque tem muita gente que aceitou o nosso trabalho e orientação que fizemos aqui. Foi bom para a vida deles, para a formação deles. Hoje, por exemplo, quando saímos de Cáceres, tinha muita gente nos despedindo de nós e lá em Cuiabá também tinha outras pessoas. Então esses encontros foi uma recompensa e alegria para a gente. Sinal que realmente fizemos alguma coisa que serviu as pessoas, que serviu para elas crescerem”, disse Gumaru.

Frei Gumaru disse que as despedidas em Cáceres e Cuiabá foram recompensas que receberam: sinal que fizemos alguma coisa

   Sendo o mais jovem dos freis, Marino, com 81 anos, reconheceu a importância deles em Cáceres e revelou que ainda pretende visitar Cáceres. “Tenho sentimento que participei da história de Cáceres e vou saborear Cáceres ainda lá na Holanda. Se tiver possibilidade de viajar, bem capaz que vou visitar Cáceres, só para matar saudades”, disse Frei Marino.

Frei Marino pensa em visitar Cáceres, nem que seja para matar saudades


As emoções se sucederam

   Geraldo Leão conseguiu que o comandante da aeronave da Gol, durante voo de Cuiabá a Paulo, saudasse os três freis que estavam na aeronave, destacando os 60 anos de trabalhos dedicados em Cáceres-MT. “Essa tripulação, a pedido da equipe de Mato Grosso, também gostaria de agradecer ao frei Gumaru, frei Matheus e frei Marino pelos 60 anos de serviços prestados a comunidade de Cáceres, Mato Grosso, que hoje estão retornando neste nosso voo, a sua cidade terra natal, a Holanda. Gostaríamos de parabeniza-los pelos serviços por tudo que fizeram no Brasil”, disse o comandante do voo 1101 da Gol.


foto no avião

   Após se sentir tranquilizado com o embarque de retorno dos freis para a última viagem, Geraldo enviou os últimos áudios para encerrar assim a sua nobre missão. “Quero confessar à vocês que, se não receber mais nada na vida daqui pra frente, eu já me sinto uma pessoa feliz e plenamente realizada por tudo que fiz até aqui com muito amor e dedicação. Vocês não imaginam o quanto isso alegrou minha alma. Creio que terei alguns anos mais de vida só em razão desse ato que fizemos. Agradeço a cada cacerense, amigo ou mesmo aqueles que não me conhecem. Agradeço a cada coração pela nobre missão. Serei eternamente grato. Deus lhes paguem! ”.

A missão continua com o Colégio Salesiano

   O Instituto Santa Maria (ISM) nasceu e cresceu com a missão de formar os jovens, preparando-os para se tornarem cidadãos conscientes do papel preponderante que devem ter no seio da sociedade. Preocupação que vem desde os tempos em que o saudoso frei Grignion lecionava às crianças e a elas já ensinava a importância do respeito aos pais, aos coleguinhas de sala, ao ser humano em si.

   Esse zelo e cuidado seguem até os dias atuais e, certamente, perdurará ainda mais com a renovação que surgirá com o novo redirecionamento que o instituto tomou agora comandado pelos salesianos seguidores de Dom Bosco, pai e mestre dos jovens.

   Uma escola de formação cristã forte e atuante, assim haverá de continuar fazendo parte da história de Cáceres, o histórico e renomado Instituto Santa Maria, que nasceu graças ao esforço e a visão do bispo diocesano Dom Máximo, que sempre teve a formação educacional e religiosa como uma meta transformadora do ser humano.

   Quando o ISM, em 1983, completou 25 anos de fundação, frei Gumaru, em entrevista ao jornal Correio Cacerense, disse: “Dom Máximo foi a procura de uma congregação religiosa para tomar conta de uma escola e encontrou na congregação da Holanda Irmãos de Huijbergen a certeza da melhor escolha”.

   Em 2016, passados quase 60 anos, os freis fizeram a doação de 17.300 m2 (de um total de quase 26.000 m2) e toda a estrutura física do ISM para o Colégio Salesiano, que passou a ser chamado de Salesiano Santa Maria. “A nossa obra foi entregue ao Salesiano, foi para a pessoa certa, exatamente as pessoas que darão continuidade na nossa missão de formação do ser humano”, comentou frei Gumaru. A residência dos freis e o terreno anexo, totalizando mais de 8.300 m2, foi doado para a Diocese de São Luiz de Cáceres.

Veja como ficou a divisão doada pelos freis holandeses para o Colégio Salesiano e a Diocese de São Luiz


   O primeiro Diretor Geral do Colégio Salesiano Santa Maria, Padre Sandro Giancola, que assumiu em 1º de janeiro de 2017, disse com exclusividade ao Zakinews que “o amor e carinho e apreço que a cidade tem pelos freis holandeses é uma grande responsabilidade para a nossa missão, e vamos levar adiante isso, com responsabilidade e dedicação”, disse.

Padre Sandro Giancola, comandou a carreata de despedida dos freis até a BR, saída para Cuiabá


   Aos freis holandeses, o reconhecimento maior de toda uma sociedade que aprendeu a respeitá-los e admirá-los pelo trabalho, retidão, carisma e conhecimento na atuação em prol aos filhos de Cáceres. Embora, inicialmente, tenham encontrado, aqui, um mundo completamente desconhecido, hoje, se tornou sua segunda casa, conquistada pelos anos de trabalho, atenção e carinho dispensados nessa comunidade que escolheram para aqui, passarem a maior parte de suas vidas.

   Agora só restam as saudades. Saudades que eles também já começam a experimentar. Gumaru, Matheus e Marino, eterna gratidão do povo cacerense por tudo que vocês fizeram por esta terra encravada em pleno Pantanal Mato-grossense. Missão dada, missão cumprida!


Os três freis em pose na fachada do prédio doado para o Colégio Salesiano Santa Maria - MISSÃO CUMPRIDA EM CÁCERES
 No Aeroporto de Guarulhos-SP, a última pose para foto, antes do embarque para Holanda




Comentários: ( 23 ) cadastrados.
Por: Marcelo Trettin
São Paulo
Jamais esquecerei as festas juninas no colégio, as brincadeiras no pátio de terra batida jogando bolinha de gude no recreio, espinar pipa no campinho no dia das crianças... correr nos corredores pra entrar na aula... os brinquedos de madeira feitos na marcenaria... ai.. ai.. saudade que dói no peito! De um tempo maravilhoso que não volta mais!
25/07/2020 18:41:11

Por: Paulo Almeida
Caceres
Lembro-me dos cascudos, que na hora parecia nao ter sentido, mas depois percebiamos o quanto foi merecido. Aprendi e sigo aprendendo com cada ensinamento passado, ter convivido com os freis foi uma oportunidade unica na minha vida, me sinto um homem privilegiado por ter feito parte da historia deles em Cacres. Saudades e mais saudades...
22/07/2020 20:39:27

Por: AROLDO TEIXEIRA FILHO
CUIABA
Eu tive o privilégio de estudar no prédio antigo em 1961. Quem fez parte disso, deve se lembrar dos jogos de futebol, de atravessar o campo para ir ao banheiro, que ficava do lado oposto das salas de aula. Outra recordação é a inesquecível bebida, tipo um guaraná, vendida pelos freis, cujo o nome, se não me falha a memória, era bichacha. Depois quando mudamos para o novo prédio foi uma emoção muito grande.
22/07/2020 09:26:57

Por: Jones Gustavo Cesa
Itapema SC
Estudei no ISM de 1978 a 1984 fazia parte da Fanfarra, era corneteiro , e tenho muita sdd e ótimas lembranças destes mestres, amigos e educadores. Sdd Eternas
20/07/2020 21:38:10

Por: Neuza
Cáceres
Emocionante passagem, freis muitas saudades....
20/07/2020 21:16:21

Por: Marcos Cordeiro
Cáceres
Kishi, parabénS por dar visibilidade a histórias reais da nossa gente, vc ta trazendo uma nova forma de fazer jornalismo, sem a mesmice p/não dizer chatice do velho jornalismo mal intencionado, ler o zakinews é saber que vamos sair mais ricos, isso é gratificante. Aos freis os meus mais sinceros sentimentos de gratidao, respeito e amizade.
20/07/2020 20:32:43

Por: Natalino Márcio Viana da Costa
Cuiabá
Brilhante matéria! Como é brilhante a história construída pelos Freis em nossa querida Cáceres, Princesinha do Paraguai, berço do Pantanal. A trajetória dos Freis em nossa cidade está marcada eternamente na vida de cada um de nós que tivemos o privilégio de conviver, aprender e crescer com eles, sejam alunos e familiares, professores e colaboradores, sociedade Cacerensse e região. O legado foi compartilhado com todos. Obrigado Eternos Mestres!!!!!!
20/07/2020 18:41:00

Por: Marcela
Cáceres
Foi com certeza uma das despedidas mais triste o coração ainda ta apertado, queria que os freis pudesse nos dar o prazer de continuar em suas companias, mas lamentar é também deixar eles tristes e nós queremos ve-los felizes. Muito obrigada querido frei mateus, marino e gumaru, que a Holanda permita que vcs vivam momentos simples e de grande valia como viveram aqui.
20/07/2020 15:43:38

Por: mauricio
caceres
estudar no instituto santa maria foi uma das melhores escolhas que meus pais fizeram... os freis deixaram um legado único na vida de tosos nós.
20/07/2020 13:36:41

Por: Ariane Muniz
Caceres
Parabéns pela reportagem . Fui aluna do ISM desde do pre escolar até a 8 série . Entrei com 4 anos na escola , toda minha infância foi dentro dela . Sempre agradeci meus pais pela oportunidade que me deram em eu ter uma formação maravilhosa . Pensei em ter os freis para sempre conosco em Cáceres .. me doeu o retorno depois de tantos anos para a terra Natal . Jamais pensei que um dia eles saíram de Cáceres. Se foram mas nunca sairão da nossa História , tanto pessoal quanto da cidade . Que Deus nos acalme o coração e que de a eles toda paz e alegrias que merecem . Obrigada Kishi por não deixar passar os caminhos deles sem que todos se relembre .
20/07/2020 13:13:56

Por: Motta
Cáceres
Parabéns pela matéria!
20/07/2020 12:04:34

Por: Marcelo Costa
Presidente Medici
Fikou gravada em minha cabeça a frase: "Pega o material!"
20/07/2020 11:15:40

Por: gil berto
caceres
muitas saudades desses amigos....
20/07/2020 11:00:49

Por: José Thadeu Mesquita
Cáceres - MT
Parabéns Kishi, voltou tudo à memória, tenho orgulho de dizer que participei dessa conquista da Fanfarra em 82.
20/07/2020 10:56:50

Por: Vantuir Dalbem Soares
Campo Grande
Parece que eu estou sentindo a dor por eles, por ter que deixar Cáceres e tudo que foi construido nesses 60 longos anos. No meu caso eu não iria embora por nada desse mundo. Que Deus os abençoem e com certeza Cáceres está agradecida pela bela contribuição na educação ministrada por eles, ficarão na história e deixarão um grande legado difícil de ser preenchido por outros. vão com Deus e até breve.
20/07/2020 10:23:19

Por: David Atala Sobrinho
Cáceres
Que bela reportagem Kishi, parabéns!
Muitas lembranças maravilhoas desses queridos freis, Mateus, Marino e Gumaru, são merecidas todas as homenagens. A ausência deles deixará um vazio em nossos corações pantaneiros. Reitero meus parabéns pela excepcional reportagem.
20/07/2020 10:10:14

Por: Olga Castrillon
Caceres-MT
Missão concluída, memória edificada! Os freis holandeses escrevem parte da nossa historia! Vivas!!!!
20/07/2020 10:00:31

Por: Edilson J Viana Costa
Cáceres Mt
Como sempre a sensibilidade e a maestria das imagens e palavras da dupla Kishi e Toninho.
Parabéns!
20/07/2020 09:36:25

Por: Carlos VianaCosta
Cáceres MT
Em nome de toda a minha família Viana Costa, agradeço tudo que vivemos, compartilhamos, sentimos honrados de poder ter participado dos projetos e ensinamentos dos nossos queridos "MESTRES" os "FREIS HOLANDESES", a minha profissão como Artists Plástico iniciou com as prImeiras aulas com o Frei "MATEUS" na sala de Educação Artística do ISM Instituto Santa Maria, "Colégio dos Freis", depois da minha formação academica na área retornei depois de 10 anos para Cáceres, onde passei a ter contato de novo e várias visitas do Frei Mateus, que fez questão de encomenda adquirir 02 Obras de Artes feita por mim, o Frei Mateus fez "questäo" de Pagar um valor a qual eu fiquei impressionado, pois ele me entregou em um envelope fechado, é disse que era o valor justo, por que "eu" consegui encanta-lo com as duas telas pintadas, quando abri o envelope o valor era quase 10 vezes maior que o que eu tinha combinado com ele, essas duas telas ele colocou e está até hoje na recpção da casa dos Freis, É um dos meus "orgullho".
Tenho agora a responsabilidade de repassar a "BAQUETA" da FANFARRA FREI MATHEUS" que foi passada no ano de 2012 pelo Frei Mateus para mim, para continuidade dessa União entre amigos...
OBRIGADO, OBRIGADO, OBRIGADO
GRATIDÃO, GRATIDÃO, GRATIDÃO
"FREIS HOLANDESES"
20/07/2020 09:35:53

Por: Fernanda F. de Moura
Pontes e Lacerda-MT
Me emocionei lendo essa matéria, me fez voltar no tempo e resgatar tantas lembranças bonitas que tenho dos queridos freis. Muito obrigada a todos pelos ensinamentos, pela paciência e pela demonstração diária e clara de FÉ. Cáceres teve uma imensa sorte em receber 3 presentes tão especiais que fizeram e continuarão fazendo a diferença na nossa história. GRATIDÃO, RESPEITO E SAUDADE.
20/07/2020 09:31:05

Por: Argélia Fátima Fanaia
Cuiabá-MT
Que legado esses religiosos nos deixaram,hein?
Como eu dissera na despedida:" Levem a certeza de que Cáceres nunca mais será a mesma sem a presença dos senhores.Seres humanos insubstituíveis e indubitavelmente inesquecíveis.Ficará o vazio nas ruas,sem as andanças do Frei Mateus acompanhado do teu cachorro. Sem as idas e vindas do Frei Marino,montado na tua bicicletinha,fazendo compras.Sem as caridades do Frei Gumaru nas entidades como O Bom Samaritano e Apae. Ah,como farão falta!😪
A vocês Kishi e Toninho Costa,continuem fazendo a diferença em nossas vidas,revivendo e relembrando histórias que merecem ser contadas e recontadas. Parabéns pelo trabalho magnífico que estão desenvolvendo!
20/07/2020 09:15:22

Por: Domingos Sávio Lacerda Cintra
Cuiabá - MT
Parabéns ao Zakinews pela belíssima reportagem onde retrata com clareza desde a chegada até a partida desses abnegados Freis que muito fizeram por Cáceres e pelos seus filhos, gratidão e muita saudade é o sentimento que todos os Cacerenses ficaram nos seus corações, que Deus abençoe todos eles com muita saúde pois cumpriram a sua missão com louvor.
20/07/2020 08:37:19

Por: Vagner Cintra Da Silva
Caceres Mato Grosso
Quero agradecer aos Freis que contribuíram muito para nossa cidade de Caceres, especialmente ao meu Mestre Frei Mateus, vai ficar muitas Saudades com certeza, e que Deus abençoe todos eles na sua terra natal, UM GRANDE ABRAÇO A TODOS.
20/07/2020 08:30:33

Faça o comentário para a noticia: Freis holandeses: Missão dada, missão cumprida

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.