29/06/2020 - 22:20

Por: José Marques / Assessoria

Max Russi pede agilidade na compra de medicamentos, que já estão em falta nas UTIs


Assessoria

 

Hospitais referência no combate à Covid-19 estão sem sedativos, anestésicos e bloqueadores neuromusculares, fundamentais na intubação de pacientes

   O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, o deputado Max Russi (PSB), pede urgência, ao Governo do Estado, na compra de medicamentos básicos para pacientes internados nas unidades de terapia intensiva (UTI). O sedativos, anestésicos e bloqueadores neuromusculares já estão em falta nos hospitais, considerados unidades referência no combate à Covid-19. Essa foi uma das indicações apresentadas pelo parlamentar nesta segunda-feira (29), na Assembleia Legislativa.

   Russi alega que a situação é considerada crítica em Mato Grosso, conforme um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde. O estudo revela que da lista dos 22 fármacos, 13 estão em falta em nosso estado. Sem esses remédios os pacientes não podem ser intubados, em caso de necessidade

   “Este número é bastante alarmante, pois significa que muitas pessoas poderão perder a vida à espera do procedimento, que não poderá ser feito em virtude da falta de um desses medicamentos”, explicou

   Médicos, que atuam nas redes pública e particular da capital, confirmam o cenário desesperador. Segundo boa parte deles, todos os procedimentos possíveis estão sendo feitos, para a melhoria do quadro clínico dos pacientes mais graves. No entendo, sem os medicamentos essências, salvar vidas tem se tornado uma tarefa extremamente difícil.

   “Tive a informação de que pessoas estão morrendo mais por falta de medicamento, do que de Covid. A Secretaria de Estado de Saúde precisa providenciar a compra, em regime emergencial, desses medicamentos, pois estamos perdendo vidas de cidadãos matogrossenses que poderiam ser salvas com a devida medicação” alertou.

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Max Russi pede agilidade na compra de medicamentos, que já estão em falta nas UTIs

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.