08/06/2020 - 09:00

Por: Kishi e Antonio Costa

Colônia japonesa em Cáceres completa 69 anos – homenagem aos octogenários


Wilson Kishi e Antonio Costa


   O mês de junho tem um significado especial para a Colônia Japonesa radicada no Brasil, especialmente aquela que reside em Cáceres. De acordo com a história, a imigração japonesa no Brasil tem como marco inicial a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho de 1908.

   Do Porto de Kobe, a embarcação trouxe numa viagem de 52 dias os 781 primeiros imigrantes vinculados ao acordo imigratório estabelecido entre Brasil e Japão, além de 12 passageiros independentes.

   Esses japoneses se estabeleceram no interior paulista e posteriormente paranaense, onde passaram a se dedicar nas plantações de café, principal produto brasileiro daquele tempo.

   Portanto, este mês de junho está sendo comemorado os 112 anos da chegada das primeiras famílias nipônicas ao Brasil. E, em homenagem aos pioneiros, Zakinews presta uma referência especial aos descendentes que escolheram Cáceres para morar e constituir famílias.

O casal Minori e Fusata Hayashida, acompanhado de 8, dos 11 filhos, chegaram em Cáceres em 1951


   O casal japonês, Fusata e Minori Hayashida, que chegou ao Brasil no ano de 1914, ainda jovens, com seus 13 e 9 anos, respectivamente, se casaram anos depois, em São Paulo. Passados alguns anos, já com 11 filhos, a família Hayashida decidiu se mudar para Mato Grosso, vindo direto para Cáceres, acompanhado de oito filhos.

   Aqui, chegaram no dia 08 de setembro de 1951, com os filhos: Yoshio, Mitie, Katumi, Shigueo, Fussae, Takashi, Tsuyoshi e Makoto, sendo considerada a primeira família a pisar em Cáceres e, muito provavelmente, de Mato Grosso. Os três filhos mais velhos, Kimie, Sadaka e Tamie, permaneceram em São Paulo.

   Ainda na década de 50, outras famílias japonesas começaram a chegar na cidade, fixando em área rural e urbana, trabalhando da produção de hortas, pecuária, comércio e profissionais liberais, contribuindo com o progresso e desenvolvimento de Cáceres.

Os pioneiros Fusata e Minori ao lado das filhas: Kimie, Sadaka, Tamie, Mitie, Katumi e Fussae, posando no meio das verduras que eram plantadas no quintal de sua residência no bairro da Cavalhada


   Destacamos as famílias: Kawai, Sakashita, Nakamoto, Osako, Harima, Sato, Hayashi, Kawasaki, Kurosaki, Kishi, Kanenoo, Yamashita, Miura, Endo, Arashida, Takaki, Shimada, Fukushima, Ninomiya, Matsushita, Nakahara, Tanaka, Naito, Kobari, Nakata, Teshima, Okada, Matsumoto, Yokomizo, Mune, Yoshida, Nakamura, Ikeno, Une, Kihatiro, Okazaki, Hirano, Hirashima, Narita, Noguchi, Suzuki, Koga, Mori, Yamamura, entre outras.

   Segue algumas empresas instaladas em Cáceres pelos representantes nipônicos ao longo dos anos: Máquina de Arroz São Paulo, Supermercado Stella, Foto Kishi, Foto Naito, Mecânica Sato, Foto Kobari, Comercial Triângulo, Foto São Luiz, Serralheria Nakamoto, Irmãos Matsushita, Auto Elétrica Mori, Serraria São Luiz, Posto Miura, Adriana Confecções, Auto Elétrica Mato Grosso, Mecânica Matsushita, Miura Gás e Água, Rádio Jornal de Cáceres, Jornal Folha do Povo, Auto Posto Jotão, Eletrônica Nippon, Supermercados Miura, Conal, Restaurante do Sadao, Retífica San Dieses, Ótica & Cia, produtor rural no ramo de hortifrutigranjeiros, além de profissionais, como: professores, médicos, advogados, veterinários, engenheiros, arquitetos, bancários, e outros.

Fusata Hayashida na janela do caminhão com o filho mais velho, Mário Japonês (de camisa escura) ao lado de amigos, chegando com carga cheia de produtos da roça para comercializar na cidade. Ano aproximado de 1958
Akio Kishi, no interior das instalações do Foto Kishi no ano de 1965
Década de 80, Eduardo Arashida na sua oficina mecânica localizada na Rua General Osório (hoje, uma clínica médica)

   No cenário político, a colônia também tem seus destaques, a começar por Mário Hayashida e Shiguemitu Sato, ambos foram vereadores na década de 70. Sato ainda se destaca na política de Araputanga, onde conquistou vários mandatos eletivos, como prefeito, vice-prefeito e vereador.

   Miguel Ninomiya foi três vezes deputado estadual e tem empreendimento no ramo da comunicação, com emissoras de rádio em Cáceres, São José dos Quatro Marcos, Pontes e Lacerda e Nova Mutum. Por alguns anos, Miguel teve ainda um jornal impresso, a Folha do Povo.

Os políticos da colônia japonesa: Mario Hayashida, Shiguemitu Sato, Miguel Ninomiya, Makoto Hayashida,
Masato Nakahara, Mario Massao Tanaka e Wilson Massahiro Kishi


   No final dos anos 80 até a primeira década deste século, o Legislativo Cacerense sempre teve a presença de um nipônico ocupando uma ou mais vagas na Câmara de Cáceres. Makoto Hayashida foi vereador por dois mandatos, em 1989 a 1996; Wilson Kishi, com cinco mandatos consecutivos, de 1989 a 2008, e vice-prefeito de 2009 a 2012; Masato Nakahara foi vereador, presidente da Câmara e prefeito de Cáceres durante a legislatura de 1993 a 1996; e Mário Masao Tanaka, vereador por três mandatos, de 1993 a 1996 e 2001 a 2008.

   A Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Cáceres, conhecida como Clube Nipo, teve áureos tempos com atividades que se tornaram uma confraternização entre os nisseis e os cacerenses. Nos anos 80, os bailes aos sábados reuniam uma multidão, eram os tempos da lambada de Beto Barbosa e cia. No bar, os integrantes da diretoria serviam delicioso pastel.

Time de beisebol de Cáceres sagra-se campeão estadual e faz pose com o então prefeito Luiz Marques Ambrósio em 1972


   No campo esportivo, as famílias Kawai e Nakamoto eram as responsáveis por incentivar os jovens a praticar o beisebol e montar equipes competitivas, alcançando sempre as primeiras colocações nos campeonatos e torneios realizados pela Federação Matogrossense de Beisebol.

   Pela rica história dos imigrantes japoneses em Cáceres, há quase 70 anos, que o Zakinews presta homenagens para as nove pessoas mais antigas, que já ultrapassaram seus 80 anos de vida e que ainda residem na Princesinha do Paraguai, representando todos aqueles que contribuíram para o desenvolvimento local em vários sentidos e, também, por manter ainda viva a cultura e tradições do Japão, neste rincão do pantanal mato-grossense.

SUMIYO KUROSSAKI – 89 ANOS


   Nascida em 26 de fevereiro de 1931, em Agudos-SP, casou-se com Itiro Kurossaki. O casal deixou São Paulo a procura de uma cidade para se estabelecer, onde pudessem morar com tranquilidade e criar seus filhos: Neide, Urbano, Neuza, Nancy, Jorge e Beatriz. Passou parte de sua vida a morar em Paranavai-PR e Chapada dos Guimarães-MT, mas ainda não era o que desejavam. Faltava algo a mais. E foi em Cáceres que o coração da família se sentiu em casa, chegando em 1961, onde se encantaram com o Rio Paraguai. Aquele ano acontecia a inauguração da Ponte Marechal Rondon. 

   Iniciaram com a atividade comercial no ramo da alimentação e abriram uma pensão para atender as pessoas que vinham das 'glebas', hoje municípios localizados após a Ponte Marechal Rondon. Elas vinham para as consultas médicas, bancos, cartórios. Essa pensão, onde hoje está instalada a loja Adriana Confecções, tinha um quintal defronte ao Rio Paraguai. 

   Passado algum tempo, a família Kurossaki montou um restaurante na avenida São Luiz, famoso pela culinária que chamava a atenção dos apreciadores da tradicional galinhada, bistecas e escaldados. Em seguida, construiu o prédio onde funcionou por algum tempo o Terminal Rodoviário da Japonesa, localizado no bairro Cidade Nova.

   Hoje, Sumiyo ainda desfruta de boa saúde e curte seus filhos, netos, bisnetos e tataraneto. E ainda sobra tempo suficiente para cuidar de suas plantas que, para ela, é uma verdadeira terapia.


PADILHO KAWAI – 86 ANOS


   Hoje, com 86 anos de idade, nasceu em Valparaíso-SP, no dia 18 de abril de 1934. Filho de Koki Kawai e Ka Kawai, japoneses que chegaram no Brasil no ano de 1928. Na cidade de Cáceres, chegou no ano de 1963, ainda solteiro, acompanhado de sua mãe e os irmãos mais velhos, Tadashi e Vitório. Eles foram morar numa propriedade rural localizada no rio Bugre (hoje Mirassol D'Oeste). Padilho casou-se com a senhora Rosa Yonehara, em 1966, na cidade de Três Lagoas-MS. O casal tem somente uma filha, Luciana Kawai.

   Durante muito tempo, na década de 60/70, os homens da família trabalharam na fazenda, para formação da área adquirida, as esposas se revezavam entre a área urbana e rural. Umas tinham a tarefa de cuidar da genitora, que já se encontrava com idade mais avançada e outras cuidavam das tarefas culinárias na fazenda.

   Padilho recorda que a experiência na área de saúde, vivida na sua juventude no interior de São Paulo, ajudou para que ele realizasse ajuda voluntária às famílias das propriedades vizinhas, no início dos anos 60. O trabalho rural era voltado exclusivamente para a agropecuária.

   Desde que chegou na cidade, fixou residência na Rua Riachuelo, no bairro da Cavalhada. A família Kawai ajudou na formação da Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Cáceres, mantendo as tradições e cultura japonesa entre os descendentes. Montou uma serraria na fazenda, de onde serrou grande parte da madeira utilizada no telhado da sede da Acenibra.

   Enquanto isso, outros dois integrantes da família, Tadashi e Vitório, se dedicavam à prática do beisebol incentivando o esporte entre os mais jovens, inclusive, participando diretamente da construção do Campo Monte Fuji, que se localizava aos fundos do Estádio Geraldão.


ROSA YONEHARA KAWAI – 82 ANOS

 

   Rosa Yonehara, nasceu no dia 11 de novembro de 1937, na cidade de Valparaíso-SP. Ela é filha de Shiguenori Yonehara e Toku Yonehara, ambos vindos do Japão para trabalhar na roça, no chamado 3 Alianças/Mirandópolis-SP.

   Casou-se em 1966 com Padilho Kawai. Em Cáceres, Rosa se alternava entre ficar na fazenda da família Kawai e na cidade onde morava na rua Riachuelo e cuidava da filha e sobrinhos durante seus estudos.

   Na sua adolescência, trabalhou em farmácia, escola e prefeitura de Três Lagoas-MS, o que contribuiu para seu conhecimento na área de saúde, permitindo que ajudasse os amigos e vizinhos quando precisavam.

   O casal teve uma filha, a Luciana, formada em bioquímica, que hoje reside em São Paulo. Rosa sempre foi ativa dentro da colônia japonesa em Cáceres e participa até hoje das campanhas da gastronomia do Nipo, como o Yakisoba, que são realizadas periodicamente durante o ano e em todos os festivais de pesca.

 

YURIKO IKENO – 88 ANOS

 

   Nasceu no dia 14 de agosto de 1931, na cidade de Lins-SP, filha de Tadashiti Yoshino e Fudiko Yoshino. Nos primeiros cinco anos de idade morou na cidade natal, depois passou a residir em Birigui, onde seus pais agricultores plantavam algodão.

   Quando completou 17 anos, a família arrendou uma nova área de terra na cidade de Araçatuba-SP, onde passaram a residir e plantar algodão e arroz. Com o passar dos anos, mudaram-se para Rio Ferro-MT e desenvolveram plantação de pimenta do reino e seringa.

   Yurico casou-se com Harumi Ikeno, vindo a residir em Dom Aquino-MT, os dois tiveram quatro filhos: Maria Reiko Ikeno, Rosa Yoko Ikeno, Tereza Harue Ikeno Sato e Paulo Macao Ikeno. Após a morte de seu esposo, veio morar na cidade de Cáceres, junto com sua filha Tereza, professora da rede estadual.

   A família mora há 33 anos na Princesinha do Paraguai, criou fortes laços com a colônia japonesa e amigos cacerenses. Hoje, Yuriko Ikeno, que desfruta de boa saúde, tem 11 netos e dois bisnetos.

AKEMI KAWAI – 83 ANOS

 

   Akemi é filha de Toshitaka Maekawa e Sadako Yamamoto Maekawa, nascida no dia 19 de novembro de 1937, em Segunda Aliança, município de Mirandópolis-SP. Estudou no grupo escolar e na medida em que foi crescendo, sempre estava ajudando seus pais e irmãos na roça.

   Juntamente com a sociedade Nipo (Seinen-kai) aos fins de semana, praticava esportes, jogando basquete, tênis de mesa e atletismo. 

   Conheceu Vitório Kawai, se casaram no dia 30 de setembro de 1961 e tiveram a primeira filha, Neusa Kiyomi Kawai, ainda na cidade de Mirandópolis. Em Cáceres, Akemi Kawai sempre esteve acompanhando o esposo na fazenda de propriedade da família Kawai, a Fazenda Aliança, na época estava inserida no território do município de Cáceres (hoje, Curvelândia). O casal teve outros três filhos cacerenses: Edson Yukitoshi Kawai, Miriam Yukimi Kawai e Rosemary Lumi Kawai.

   A longo dos anos, Akemi sempre participou das festividades da colônia japonesa, fazendo parte da associação de senhoras nipônicas e contribuindo com a culinária japonesa nos eventos esportivos de beisebol e nos festivais de pesca da cidade. Ficou viúva há cinco anos e atualmente curte as filhas, sobrinhas e os 10 netos.

LÚCIA MIDORI SAKASHITA – 84 ANOS

 

   Lúcia é paulista da cidade de Guarulhos e nasceu no dia 31 de outubro de 1936. Casou-se com Eitoku Sakashita, em 24 de abril de 1966, quando os dois vieram para Cáceres no mesmo ano, indo morar na região rural de Peraputanga.

   Ela teve quatro filhos: Leomar, Gilberto, Heitor e Lúcio. Junto com o esposo Eitoku, trabalhou na horta com plantação de tomates, melancias, melões, abacaxis, entre outros.

   Em 24 de novembro de 1977, Eitoku veio a falecer, após um acidente na estrada próximo ao distrito de Caramujo, deixando Lúcia viúva e com quatro filhos pequenos.

   Logo após perder o marido, a alternativa foi se mudar para a região urbana, quando as crianças começaram a frequentar a escola.

   Entre o ano de 1969 e 1970, iniciou seu trabalho na feira, ao lado da Catedral São Luiz, exercendo a profissão de feirante até 1995. Neste mesmo ano, Lúcia teve a oportunidade de ir ao Japão passear e visitar os filhos. Voltou para Cáceres e vive até hoje sua vida como aposentada, com saúde e energia.

TOKITO SATO – 87 ANOS

 

   Tokito Sato é o único verdadeiramente japonês. Nasceu em Fukushima Ken, no Japão, no dia 07 de março de 1933. Com muitas dificuldades no país de origem, a saída era tentar a sorte do outro lado do mundo. Foi assim que, em 1937, aos quatro anos mudou-se com os pais para o Brasil, e a família fixou residência em uma fazenda na região de Jaboticabal-SP.

   Eles acreditavam que poderiam ganhar dinheiro, fazer uma boa economia e terem, assim, condições de retornar ao país de origem. Todos, sem exceção, alimentavam esse sonho de um dia terem condições de retornarem ao Japão. Mas a vida mostrou-lhes que deveriam mesmo era morar definitivamente no país que os acolheu, o Brasil.

   No ano de 1960, Tokito Sato mudou-se para Cáceres, inicialmente no Sítio Padre Inácio onde, a exemplo de outros imigrantes, trabalhou na roça produzindo alimentos para sustento da família.

   Posteriormente, resolve se mudar para cidade. Foi trabalhar como aprendiz de mecânica na Oficina do sr. João Ramirez. Ali permaneceu durante três anos. Tempo suficiente para aprender e dominar a profissão de mecânico.

   Em seguida, montou a sua própria oficina no bairro da Cavalhada. Casou-se no ano de 1963 com Katumy Hayashida Sato. O casal teve cinco filhos genuinamente cacerenses: Shirley, Shirlene, Vitor, Silvia e Vilson.

   Por isso, a família estima muito o povo cacerense, pois foi junto dele que eles puderam prosperar e vencer na vida, longe do país de origem. Hoje, com seus 87 anos muito bem vividos, Tokito e sua família sentem enorme gratidão por toda história construída em Cáceres.

   Ele sempre atuou de forma destacada na Colônia Japonesa em Cáceres, incentivando na prática esportiva como o beisebol e nas atividades sociais da Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Cáceres.

KATUMI HAYASHIDA SATO – 82 ANOS

    

   Katumi, juntamente com Mitie, são as duas últimas filhas do casal Fusata e Midori, ainda vivas e residindo em Cáceres. Katumi nasceu em Cafelândia-SP, no dia 30 de setembro de 1937, hoje, aos 82 anos, é muito agradecida pela boa acolhida e as amizades que ao longo desses anos adquiriu especialmente na cidade que escolheu para permanecer até os últimos dias de vida.

   Ela permaneceu na companhia dos pais - Fusata Hayashida e Minori Hayashida – bem como entre os outros irmãos, até aos 12 anos. Todos moravam na Fazenda Santa Terezinha, interior do estado de São Paulo, de onde a família tirava o sustento trabalhando na agricultura.

   Posteriormente, toda a família mudou-se para a região de Cáceres, mais precisamente na localidade denominada Padre Inácio, onde o pai, Fusata, adquiriu terras.

   Casou-se aos 27 anos com Tokito Sato. O casal teve cinco filhos já mencionados: Shirley, Shirlene, Vitor (in memorian), Silvia (in memorian) e Vilson. 

   Assim como todas as famílias descendentes, Katumi era uma das senhoras que se destacavam na culinária, ajudando a Associação Nipo-Brasileira de Cáceres nos eventos promocionais, sempre visando o fortalecimento das tradições japonesas para as novas gerações.

MITIE KISHI – 84 ANOS

 

   Mitie Kishi é a quinta filha do casal Fusata e Midori Hayashida. Nasceu no município de Cafelândia-SP, em 03 de novembro de 1935. De 11 irmãos, ela e Katumi, são as únicas remanescentes daqueles que aqui chegaram em 1951, ainda vivas.

   Quando a família Hayashida chegou em Cáceres, em 08 de setembro de 1951, Mitie tinha apenas 15 anos. Ela lembra que vieram pela companhia aérea Cruzeiro do Sul. Foi a primeira família japonesa a residir em Cáceres. Mitie trabalhou na horta da família e ajudava a vender verduras nas ruas centrais da cidade, além de costurar roupas para as famílias cacerenses.

   Seu casamento com Akio Kishi aconteceu através do tradicional sistema japonês de união, o "miai" (casamento arranjado). Sua tia de Campo Grande-MS, conheceu um rapaz (Akio) que, naquele ano de 1960, morava na cidade de Sidrolândia-MS, e fez os dois se encontrarem na Cidade Morena. Assim, no dia 16 de junho daquele ano, ambos se conheceram às 10 horas da manhã e, à noite, já formalizaram a união através do miai. No dia 04 de julho, oficializaram o casamento no civil, ainda em Campo Grande. E só no mês seguinte, casaram-se no religioso, em Cáceres, na igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, celebrado pelo Padre Paulo Maria Cabrol.

   A união entre Mitie e Akio resultou no nascimento de seis filhos: Margarete, Wilson, Nelson, Regina, Hélio e Fábio. Mitie ajudou seu esposo no ateliê fotográfico, o Foto Kishi, montado na rua Coronel José Dulce, onde tirava fotos para documentos, aniversários e casamentos. Isso perdurou por longos anos, mesmo após a morte de seu marido, em 23 de março de 1984, ela continuou atuando no comércio juntamente com seu filho, Wilson.

   Hoje, Mitie Kishi está com 84 anos, é repleta de boa saúde e apaixonada por Cáceres e por todos os laços de amizade que fez ao longo desses anos.

 

 

 

Comentários: ( 48 ) cadastrados.
Por: Rosa Maria da Cunha Garcia
Caceres
Parabéns Kichi pelo relato da vinda dos japoneses para o Brasil 112 anos / Cáceres.
Nesses 69 anos que residem em Cáceres fazem parte da nossa história. Quantos amigos e guerreiros que lutaram para se adaptar a cultura brasileira, cacerense, culinária que se alimentava de carne, peixe , mandioca, abobora, quiabo e banana etc
Pouca verdura , mas trouxeram traços da sua cultura que se integrou a nossa.
Quero recordar do meu amigo Kishi , seu pai, que gostava de música e chegamos a reunir fazendo um pequeno Sarau em sua residência com amigos da música Dr. Luck ainda funcionário Banco Brasil, meu filho Fábio, Isaias, Mitié . Ele na flauta, variava no violão, Luck e Fábio no piano. Momento de descontração e sonho.
Sonhava em abrir uma casa da Cultura , pensavamos no Esporte Clube Humaita, para aqueles que apreciam a música viesse nesse espaço curtir ou tocar instrumento do agrado.
A primeira fotografia tirada como fotógrafo profissional aqui em Càceres ,foi do meu filho Domingos Sávio .
Somos gratos pela amizade a família e toda colônia japonesa.

15/06/2020 11:35:25

Por: Olga Castrillon
Caceres-MT
Merecida homenagem aos pioneiros nisseis em Cáceres, construtores da história e da memória da cidade. Guardo ternas lembranças de muitos deles aqui citados e na pessoa da Dona Mitie, saúdo cada um dos q se foram e dos q ainda estão conosco. Nossa gratidão pela presença e pelo legado!! Parabéns Kishi e Toninho!!!
15/06/2020 06:52:43

Por: Luzia osako
Presidente Prudente
Queremos parabenizar o kishi nosso amigo pelo matéria sobre a colônia japonesa em Cáceres.moramos em Cáceres mais de 40 anos aonde vivemos boa parte de nossas vidas nessa cidade amada.Hoje morando em presidente prudente temos muita saudade das pescarias dos campeonatos de basebol .
12/06/2020 20:18:26

Por: Tikao Tsukamoto
Colider - MT
parabens, a colonia nipo, tive o prazer de morar ai em Cáceres - MT, pesquei muito e joguei beisebol,
parabens pela matéria.
12/06/2020 05:26:58

Por: Anderson hirohito Nakamoto
caceres
orgulho de fazer perte dessa história!!!👏👏👏🙏
12/06/2020 01:20:45

Por: Sérgio Kobayashi
Cuiabá
Parabéns a Colônia Nipo brasileira de Cáceres.
11/06/2020 22:40:23

Por: Wesley Chaves
Takasago Japão / Cáceres MT
Bela matéria Kishi. Tenho um orgulho enorme de conviver com a Colônia desde praticamente o meu nascimento. Meus pais trabalhavam com o Sr Shigueo Hayashida e Sra Lilian. E nasci e tive a infância correndo pela forja e pela casa do Vô Shigueo (Bofera) e Vó Lilian, e claro, sendo paparicado pelas Tias Keiko, Leiko e Reiko. Tenho orgulho imenso de conhecer todos os citados e homenageados. Tenho orgulho imenso em ter trabalhado por 20 anos com a Família Okazaki. E também tenho orgulho imenso de fazer parte da Equipe de Beisebol de Cáceres, no qual agradeço ao amigo de décadas Cesar Tanaka e seus pais Dr Tanaka e Dona Reiko por ter me convidado a conhecer o esporte. É um orgulho imenso conviver com todos os amigos que fiz durante todo esse tempo, passar os perrengues montando o campo de beisebol, vencer jogos, algumas derrotas doloridas, ajudar na barraca do Nipo no Fipe, pescar... Tenho uma imensidade de bons momentos com todos que fazem parte da Colônia Japonesa de Cáceres. Um abraço a todos e em breve estaremos juntos.
11/06/2020 20:42:13

Por: Michel Kawahara
Cuiabá
Linda a matéria👏👏👏 e a toda colônia japonesa reside em Cáceres
11/06/2020 20:29:22

Por: Bruno Homem de Melo
Cuiaba
Matéria memorável.. a colônia japonesa de Cáceres foi fundamental na construção de Cáceres, e foram todos marcantes na vida da minha família e na minha.. Quem se esquece das fotos do Kishi, das festas no Nipo, do mercado do Endo, da loja do nakamoto, ou do yakisoba dos festivais.. sempre fomos e sempre seremos amigos próximos e admiradores da trajetória dessa colônia maravilhosa.. Parabéns pela as matéria linda e emocionante.. um filme passou na minha mente.. Bruno homem de melo em nome de toda minha família
11/06/2020 13:24:20

Por: Paulo Antônio
Cuiabá
Como é maravilhosa essas reportagens, nos faz reviver boas lembranças. Me lembro que mos fundos do Colégio dos Freis tinha uma horta, seria de alguma das familia citada na reportagem?
O Yakisoba do FIP
Nipo
RESPOSTA: SIM... DA SENHORA YOKOMIZO que tinha uma horta nos fundos do ISM
10/06/2020 22:52:00

Por: Paulo Cesar Homem de Melo
Cuiabá
Que belas visitas à história de Cáceres você tem feito, Wilson Kishi, com a companhia de Toninho Costa. Desta vez a história de vida de seus queridos pais, Akio e Mitie, e de toda a Família Nipônica que veio contribuir na formação da nossa cultura. Meu respeito, minha admiração, meu agradecimento a toda a colonia por tudo que nos trouxe, desde os mais velhos, passando pelos meus contemporâneos e chegando aos primos e amigos do meu filho e dos meus netos.
10/06/2020 17:53:46

Por: Aparecida Natia Pinto de Arruda
Caceres- MT
Parabens kishi pelo resgate de historias de familias japonesas que muito contribuiram para o crescimento economico,cultural,social,esportivo da nossa queriida Caceres!. Nos cacerenses somos privilegiados com a vinda e com a instalacao da colinia japonesa aqui. So temos a agradecer a um povo tao generoso, honesto,trabalhador,amigo. Guardo na minha memoria de infancia quando pela primeira vez vi na mesa de nossa refeicao verduras e legumes fresquinhos e perguntei espantada a minha m ae de onde tinha vindo toda essa maravilha! Dai ela m e explicou que tudo isso veio de uma plantacao de horta de familias japonesas. Fiquei encantada !!!! E tbem me lembro da grande amizade e respeito que m eu pai nutria pela familia Kishi. Lembro do senhor Kishi registrando c om sua maquina fotografica todos os eventos que eram realizados na nossa cidade. Belos tempos! Enfim, a nossa fsmilia agradece a todos os japoneses e seus descendentes pelos seus servicos prestados a Caceres e pelos seus carinhos a todos nos. Beijos a sua mae Kishi, amiga muito querida e a todos os seus familiares e a voce nosso eterno vereador muita saude e paz. Abracos a todos os japoneses e seus descendentes desta nossa Princesinha do Paragusis. Um muito obrigada por voces existirem e terem escohidos a nossa terra !!!!
10/06/2020 15:05:22

Por: Paulo Katumi Yamachira
São Paulo
Parabéns pela excelente matéria retratando com imenso carinho a vida e a luta dessas famílias japonesas pioneiras em Cáceres.
É um belíssimo documento histórico para que as futuras gerações possam conhecer o pioneirismo dessas pessoas.
Li com redobrado interesse a reportagem pois tenho uma irmã residente em Cáceres, da Família Miura e conhecemos e temos um carinho especial com as pessoas das Famílias Narita e Kishi, citadas na reportagem.
10/06/2020 11:02:27

Por: Emiko Nakamura Campos
Japao
Parabéns Kishi Massa!!!! Matéria excelente!!! Todos vieram como um filme na minha memória!!! Um Carinho especial por tds dessa gde Família Nipônica ! Que Saudades.... pessoas especiais! A todos um Forte e Fraterno Abrsss
10/06/2020 05:55:58

Por: Francisco Do Prado S. Junior
Caceres
Com muita honra tive e tenho a alegria de conhecer muitos da comunidade japonesa de Cáceres, pessoas que muito fizeram e ainda faz para o nosso município e região. Parabéns a todos.
09/06/2020 19:15:45

Por: Douglas Sato Aniceto
Tokyo
Que matéria mais linda ❤️ Meus parabéns.
Como é lindo cultivar nossa história e cultura!
Muito orgulho da Batchan Katumi e do Dichan Tokito por ter batalhado e criado a nossa família com tanto amor!
Orgulho de ser sansei ! 👏🏻 Forte abraço.
09/06/2020 10:47:33

Por: Samui Kelley Fukushima
Cuiabá
Nossa que linda homenagem, trazem lindas recordações, muito feliz por fazer parte dessa cultura maravilhosa e pela linda e maravilhosa cidade de Cáceres onde nasci e adoro !! Parabéns há todos e minha família Fukushima, e tios Endo e Teru e Takahiko !
09/06/2020 10:31:15

Por: Sérgio H. Suzuki
Cáceres
Linda e emocionante matéria. Lembro-me de quando cheguei a Cáceres há 20 anos. Não conhecia ninguem, mas a paixão pelo beisebol logo me inseriu na comunidade nipônica atraves do amigo Takashi Hayashida, e dos filhos Hiro e Hideki. Sou paranaense de nascimento, mas meu coração é e sempre será cacerense. Parabéns a todos os irmãos nipônicos de Cáceres.
09/06/2020 08:11:08

Por: Ida Beatriz
Cáceres
Espetacular a matéria Kishi.
Tenho grande admiração pela cultura, culinária, artesanato e literatura japonesa. A beleza do Brasil está na miscigenação e acolhimento dos povos. Quem aqui chega vira brasileiro, fato que em outro país do Planeta não se encontra tamanho aconchego.

Parabéns!! 🙏🏼👏🏼👏🏼
⛩️👘🍜🍱🥋⛩️🏮🎐🎎
09/06/2020 05:50:40

Por: Yudi Hayashi
Japão
Parabens pela ótima matéria ,história de imigrantes japoneses q fazem a colônia de Cáceres . Grande abraços
09/06/2020 05:01:16

Por: Teruco Araki Kamitsuji
São Paulo
Parabéns pela belíssima reportagem!! Homenagem Muito Digna aos pioneiros!!
Eu que sou do estado de SP e resido na Capital, tenho pouco conhecimento das histórias da Comunidade Nikkei de outros rincões. O Brasil é um país Continental e sinto orgulho de ler histórias tão interessantes!!👏👏👏👏👏👏👏
09/06/2020 01:33:40

Por: Shirleni Sato
Cáceres
Parabenizo a Colonia Japonesa, na pessoa do meu primo Wilson Massahiro Kishi pela iniciativa e persistência em trazer a memória das nossas referências culturais e de quem nos ensinaram valores de respeito, obediência, escuta, espírito de familia... que deixam em nossos corações esse precioso legado. Aos nossos antepassados toda nossa reverência e máximo respeito.
08/06/2020 22:04:52

Por: Yukemi Kishi
Cáceres
Parabéns pro meu pai, Kishi, e para o Antonio pela matéria incrível. Muito bacana saber um pouco mais sobre a colônia japonesa em Cáceres, e ter a família fazendo parte dessa história.
08/06/2020 21:22:17

Por: Lincoln Fukushima
Cuiabá
Fico muito feliz e ler essa matéria pois minha adolescência sempre que possível estava participando de atividades tenho boas lembranças dessa época e fico feliz de ver que ainda tem muitos pessoas da minha época que estão aí
08/06/2020 21:10:43

Por: Edison Kobayashi
Cuiabá MT
Fiquei feliz em conhecer a saga das famílias japonesas em Caceres, isto sempre me fascinou....
A família e a história da família Kishi, do seus pais, até porque também nasci e me criei em ambiente fotográfico. Atuavamos no tamo com minha família no Paraná, com sede em Campo Mourão, oriundo de Frorai no ramo. De Campo Mourão com as lojas Foto Popular, Foto Kobayashi e Magnicolot, nas cidades de Goioerê, Terra Boa e Maringá. Últimos e encerrando como Magnicolot em Cuiabá.
08/06/2020 16:30:19

Por: Reginaldo Stockler
Cuiabá
Otima matéria amigo, se não fosse o Zakinews não saberiamos tamanha história da colônia japonesa em Cáceres, muitos nomes importantes estiveram e estão fazendo parte da cidade. OBRIGADO por trazer tantas lembranças!!
08/06/2020 15:40:33

Por: Benedito Fernandes de Souza
Nobres-MT
Relatos reais sobre a comunidade japonesa integrada aos cacerenses natos ou adotados. Conheci os mais jovens, casos de Vilson, de Kishi, dos Ninomiya entre outros. Makoto foi um grande companheiro e líder ao tempo em que comandou o jornal impresso Folha do Povo. Belas histórias sobre a comunidade que ajudou na construção dessa Cáceres de hoje.
08/06/2020 14:34:37

Por: Mariano Leal de Paula
Cuiabá-MT
Rica história da Colônia Japonesa que muito contribui para a nossa querida Cáceres.
A Você, amigo Kishi, e todos irmãozinhos descendentes lá do Oriente, nossa GRATIDÃO!
08/06/2020 13:49:59

Por: Vilson sato
Caceres
parabens kishi pela maravilhosa matéria parabéns Colônia japonesa
08/06/2020 13:46:48

Por: Vilma Aparecida Chaves da Silva
Cáceres
Parabéns a colônia Japonesa por contribuir tanto com a nossa cidade. Que Deus abençoe a todos.
08/06/2020 12:29:12

Por: Paulo Fanaia
Cuiabá
Parabéns pela maravilhosa matéria. A colônia japonesa em Cáceres tem um papel muito importante na história da nossa cidade. Uma homenagem muito justa a esses guerreiros.
08/06/2020 11:58:33

Por: MARCOS MIURA
CÁCERES
Parabéns Wilson ( Massa) e Antonio pela maravilhosa matéria. Desejo de todo coração que todos vivam ainda muitos anos sempre dispostos e com muita saúde. Saudades daqueles que se foram, amigos já da minha geração. Esperamos mais matérias como esta daqui alguns anos contando sobre os próximos octogenários. Um grande abraço.
08/06/2020 11:00:52

Por: Margarete
São Paulo
Parabéns!!!!!! Com muito orgulho leio essa matéria cheia de amor e respeito aos nossos amigos e familiares!!!!! Gratidão!!!!
08/06/2020 10:59:48

Por: PÉRICLES GONÇALVES
RIO GRANDE-RS
Parabéns pela reportagem. Muito interessante e justa homenagem aos irmãos nipônicos que muito contribuíram e contribuem para o desenvolvimento do Brasil e de Cáceres, em particular. Muitos amigos deixei nessa cudade querida. Envio um forte e saudoso abraço para todos e o faço na pessoa de Dona Mitie, com respeito e admiração.
08/06/2020 10:51:36

Por: WILSON HISSAO NINOMIYA
Cuiabá
Passando por aqui para parabenizar toda colônia japonesa residente ou não em Cáceres pela contribuição cultural e força de trabalho no desenvolvimento municipal, ontem, hoje e sempre.
E também lembrar que ainda está entre nós e gozando de boa saúde, o nonagenário com 96 anos, Geraldo Taqueo Ninomiya (pai), que aportou no município de Cáceres, com sua família na década de 50, sendo o descobridor, o idealizador e o formador da Fazenda Progresso, considerado como um dos seus principais legados.
08/06/2020 10:40:57

Por: Renata Cordeiro
Cuiabá-MT
Tenho muito respeito pela cultura japonesa.Não conheço grande parte das pessoas citadas, mais foi muito especial conhecer a vida de cada uma delas. Parabéns pela homenagemn a esse povo que faz toda diferença.
08/06/2020 10:01:52

Por: Gilmar Gamarra de Macedo
Cáceres
Parabéns a Colônia Japonesa pelos 69 anos, e um grande abraço aos amigos nipônicos
08/06/2020 09:59:01

Por: thiago
Cáceres
tem muito japa nessa cidade, podia fazer uma feira igual de campo grande com comidas japonesas..
08/06/2020 09:50:41

Por: Carlos Roberto Bolzan
Campinas - SP
GRANDES JAPONESES E DESCENDENTES QUE SE TORNARAM CACERENSES!
A minha família (Bolzan) teve maior contado com a família Hayashida, que conheceu na Cavalhada, se não me engano, na Rua Maravilha. Posteriormente nos mudamos para a Rua dos Caçadores, também na Cavalhada, e a amizade continuou. A Mitie é madrinha do meu irmão Vitor e o meu primeiro emprego foi no Foto Kishi, onde comecei a admirar a arte fotográfica, praticada pelo Mestre Akio Kishi.
SAUDADES DESSA ÉPOCA!
08/06/2020 09:30:25

Por: MANOEL PEDRO
Cáceres
LINDA HOMENAGEM, TENHO O PRAZER DE TER ALGUMAS DESTA PESSOAS COMO MEUS VIZINHOS E AMIGOS, PESSOAS SIMPLES MAIS BEM EDUCADAS E SINCERAS, SEM FALAR DA BELÍSSIMA CULINÁRIA QUE APRENDEMOS A DELICIAR, PARABÉNS PELA MATÉRIA KISHI E TONINHO.
08/06/2020 09:16:33

Por: Fatima Kassen Fares
Cuiabá MT
Meu amigo Massahiro Kishi, vendo as fotos do seu pai me veio a lembrança de quando eu era criança e ele fazendo massagem em mim, pois meu intestino não funcionava bem.
Fechei os olhos e me vi em sua casa comendo aqueles peixinhos secos, sua mãe fazendo aqueles comidas gostosas.
Nós brincando no Humaitá e nos arredores da Rua Cel. José Dulce. Dos carnavais onde nos divertíamos muito.
Quantas lembranças boas.
Eu estudava com ReginaTiemy no Colégio Imaculada Conceição, quantas saudades.
Agradeço a Deus por ter compartilhado minha melhor fase com sua família, a quem tenho muito respeito e amo.
Não vejo a hora de rever todos vocês.
Parabéns pela matéria e pra toda a colônia japonesa.
Deus os abençoe 🥰
08/06/2020 09:14:02

Por: Miguel Ourives Silva
Cáceres-MT
Quero homenagear a minha professora de matemática, pessoa sempre maravilhosa Maria Ninomiya, abraços do seu aluno que nunca a esquece.
08/06/2020 09:04:25

Por: Luciana Mitie Kawai
São Paulo
Excelente matéria, Kishi&Zakinews! Parabéns!!! Linda homenagem aos octogenários, sinto privilegiada por ter os meus pais vivos e saudáveis, além de ativos na colônia! Sua família foi pioneira em Cáceres e raízes por toda a vida, fazendo história e melhor, registrando esse acervo incrível! Que Deus abençoe imensamente a todos! Grande abraço! Luciana Kawai
08/06/2020 08:37:22

Por: ROBERT KARUZZ
CÁCERES-MT
Parabéns pela matéria e bela homenagem aos que decidiram deixar sua terra e vir para Cáceres fazer história.
08/06/2020 08:33:27

Por: João Crispim
Ipaumirim-Ce
Parabéns a toda comunidade Japonesa em Cáceres e meu abraço a todos, representados aqui, no nome do meu amigo e companheiro Kishe.
O abraço de João Crispim, com muito respeito a todos.
08/06/2020 08:33:04

Por: Rosani de Souza
Cáceres
Que interessante!!! Muito bacana saber sobre as famílias japonesas daqui de Cáceres, são povos queridos, inteligentes, e que trouxeram uma culinária maravilhosa para nós. Conheço muitos dos que foram citados e confesso que fiquei surpresa com a idade deles, aparentam mais jovens. Adorei a matéria.
08/06/2020 08:22:34

Por: Pedro Paulo Pinto de Arruda Filho
Cáceres MT
Parabéns, costumo dizer, são os Bandeirantes do século XX, amigos dos meus pais, dos quais herdei essa amizade, congratulo com o brilhante Kischi, que está nos proporcionando um resgate em nossa história.
08/06/2020 08:22:03

Por: Anônimo

SÃO FAMILIARES AMADAS POR TODOS OS CACERENCES...
08/06/2020 08:08:45

Faça o comentário para a noticia: Colônia japonesa em Cáceres completa 69 anos – homenagem aos octogenários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.