01/06/2020 - 09:00

Por: Antonio Costa / Zakinews

Restaurante Mini Praia, eco de saudade através do tempo


Antonio Costa, EXCLUSIVO ao Zakinews


Imagens do REstaurante Mini Praia na década de 60, construído nas proximidades da entrada da Sicmatur


   Por volta de 1967 o construtor de pontes, Natalino Castrillon, integrante de uma família de empreendedores que muito fez para ajudar no desenvolvimento de Cáceres, decidiu construir às margens da Baía do Malheiros na área central de Cáceres, um restaurante que levou o nome de Mini Praia numa alusão ao local onde o mesmo se achava localizado, na prainha do Daveron.

   O empreendimento desde a inauguração chamou atenção da clientela que passou habitualmente frequentar o agradável espaço em meio a exuberante natureza e a degustação de um cardápio constituído a base de peixes.

O idealizador Natalino Castrillon durante aproximadamente dois anos, obteve muito sucesso. Sua atividade profissional (construtor de pontes), o impediu de continuar com o restaurante, foi então que decidiu vender para o gaúcho Louristan Carlos Raymundi, por volta de 1970.

   Diariamente o Mini Praia era frequentado por autoridades locais a exemplo de advogados, militares do exército, juízes, gerentes de bancos, de casas de tecidos (A Revolução, Jaraguá, Pernambucanas e Riachuelo), e famílias da cidade. Se tornou logo no point de Cáceres.   Recém-chegado à Cáceres, “Lauristan” como passou a ser conhecido, contratou para ser o chef ou gerente geral Waldemar Araújo e a esposa Olga Pinho Araújo Costa, que já trabalhavam com Natalino Castrillon, ambos passaram a ser responsáveis pela cozinha. Cacerenses conhecedores profundos da culinária pantaneira, o casal deu ainda mais o impulso necessário para que o local passasse a ser uma referência na culinária com pratos de espécies pesqueiras deste lado do Pantanal e do Rio Paraguai, bastante solicitados.

Local recebia artistas e cantores famosos

   Foram diversas vezes que o local recebeu artistas famosos a exemplo de David Cardoso (nasceu em Maracajú-MS, conhecido como Rei da Pornochanchada, devido o fato de ter sido um ator popular nas comédias eróticas dos anos 70). Stepan Nercessian, Benito de Paula, Mato Grosso e Mathias, Milionário e José Rico. Eles vinham se apresentar na Exposição Agropecuária, e se dirigiam ao Mini Praia para almoçar/jantar.

   Por sugestão do então prefeito José Monteiro da Silva, médico, com argumentação de que o local onde o referido restaurante estava estabelecido, coincidia nas proximidades com o lançamento de dejetos oriundos do antigo Córrego do Sangradouro que começava a ser poluído, O Restaurante Mini Praia foi mudado para a margem oposta da baía, do outro lado.

Vista aérea da área da Sicmaturl visualiza a posição exata onde foi construído a primeira estrutura do restaurante Mini Praia


  
O proprietário Louristan contratou então Natalino Castrillon para executar o serviço. Totalmente desmontada a estrutura foi transferida para outro local mais seguro e distante da poluição visível que desembocava do sangradouro.

A magia da travessia em batelão...

   Instalado do outro lado da margem da Baía do Malheiros, os frequentadores para ter acesso ao restaurante, teriam, obrigatoriamente, que fazer o percurso em barco, canoa ou batelão. Algumas remadas do barqueiro Alexandre conduziam a clientela num curto mas marcante passeio inesquecível, principalmente se quem estava no barco curtia e experimentava o tranquilo balanço das águas pela primeira vez.

   Ouvido pela reportagem, um dos filhos, Carlos Alberto Raymundi (Carlinhos), que recebeu o nome do bisavô, recorda num misto de saudade dos tempos de infância. Diariamente ele estava em companhia dos pais e acompanhava atentamente o cotidiano de trabalho no local. Recorda que no período noturno os pescadores contratados chegavam trazendo quilos de pescado fresco que iriam virar o cardápio principal do restaurante no dia seguinte.

A movimentação da embarcação era constante para levar e trazer os fregueses do restaurante


   Waldemar providenciava a limpeza de vários pacus. Carlinhos garante que de seis a oito eram servidos diariamente durante as refeições. O hábito de limpar os peixes próximos da área do restaurante, se constituiu numa espécie de ceva no local, atraindo jacarés, jaús, etc. “As espécies viraram atrações e os visitantes se divertiam em sessões de fotos, os de fora, ficavam impressionados com o tamanho dos jacarés”.

   Além de gerenciar o local, Waldemar Araújo gostava de cantar e tocar violão. Era, segundo a filha Vânia, “uma atração à parte”.

   Vânia traz na lembrança o ano de 1968, ela então com dezoito anos, foi almoçar no restaurante onde os pais trabalhavam. Lá chegando deparou com várias pessoas e tomou conhecimento que eram do Banco Itaú. Foi então que o superintendente a convidou para trabalhar no banco. Outro dia ela estava apta para aprender a profissão de bancária, e, pelo visto, gostou, pois permaneceu durante quinze anos como funcionária do Banco Itaú.

   Outra passagem gravada na memória de Carlinhos Raymundi, foi na reinauguração do Mini Praia agora do outro lado da baía, o pai Louristan Raymundi contratou um Conjunto Paraguaio que foi de quinta a domingo a principal atração do local durante várias semanas.

   Sucesso absoluto e muito requisitado por fazendeiros a exemplo de Lício de Aquino Nunes, José Palmiro da Silva, sempre em companhia do gerente do Banco do Brasil, sr. Neres, Murilo Curvo, Curvinho, Austregésilo Homem de Mello, eram figuras imprescindíveis no cotidiano do local.

   Sandra Fontes Medeiros Raymundi, a viúva de Luiz Antonio também guarda na memória passagens do tempo que ajudou o marido a tocar o restaurante. Ela revela que até mesmo tinha algumas vezes que se desdobrar na cozinha, principalmente quando os encarregados do setor já tinha ido embora, e, ainda tinha alguns freguês pedindo porções ou escaldado. Enquanto o filho Giuliano Raymundi, ainda pequeno, relembra da época das cheias, os répteis a procura de lugar seguro para se abrigar, como cobras nadando nas proximidades.

Frequentadores assíduos do Mini Praia: Austregésilo Homem de Melo e Curvinho


Jau peba capturado nas proximidades

   Entre os causos contados por aqueles que conheceram o famoso restaurante que marcou época em Cáceres, o cacerense Heitor Fonseca da Silva, 64, marceneiro, morador da antiga Rua da Manga, bem próxima da baia, lembra quando ele deveria ter 15/16 anos, da captura de um jau peba pelo chef Waldemar Araújo.

   Na barranca da margem oposta onde se localizava o Minipraia, costumeiramente as lavadeiras se reuniam em meio as cantorias próprias e exercitavam na profissão que lhes garantiam o sustento.

   Numa manhã elas foram surpreendidas com um enorme jau nadando bem próximo de onde elas estavam lavando a roupa. O local segundo Heitor Fonseca era bastante fundo. Imediatamente Waldemar, de posse de um arpão, desfere certeiro arremesso que atinge em cheio a nuca do jau. Totalmente inerte a enorme fera que habita as profundezas dos rios pantaneiros foi capturada.

   Ainda segundo Heitor, Waldemar e curiosos içam a espécie de couro amarelo (daí o apelido de peba), que deveria ter uns oitenta quilos. Abre a boca do mesmo e insere em seu interior um dos filhos criança que fica acomodado em pé numa situação bastante inusitada. Aí deu para aferir o tamanho da espécie...

Um dos Cartões Postais da empresa Pierre Marret de Cuiabá


Lúdio Martins Coelho patrocinou cervejada

   Em se falando de personalidades importantes que estiveram saboreando o tradicional e solicitado peixe local, Juvenal Pedroso, o Pelezinho, revela uma passagem interessante. Recorda que frequentemente ou quase que diariamente estava na companhia de amigos tomando uma gelada no ponto de encontro também da juventude. Ele, os irmãos Beto e Renato Fidélis além do cantor Rui Brant entre outros.

   Foi quando foram abordados por um senhor que pediu uma música Paraguaia...Rui executou não uma, mas várias. Satisfeito em ouvir as suas canções preferidas o senhor mandou que o Garção atendesse os jovens com duas caixas de cerveja.

   Virou festa! Posteriormente Pelezinho tomou conhecimento que aquele senhor era o abastado fazendeiro de Campo Grande, Lúdio Martins Coelho. Gerente do Condomínio LS, proprietário do extinto Banco Financial; mais tarde virou senador e prefeito de Campo Grande.

   Sucesso absoluto na Cáceres de outrora, o “Mini Praia” posteriormente teve no comando o irmão de “Lauristan”, Luiz Antonio Raymundi. Mais tarde com a separação de “Lauristan”, a ex-esposa Maria Candelária, a conhecida dona “Maria da Mini Praia” assumiu.

   Ela agora na condição de proprietária, se encarregou de comandar a preparação da peixada de confraternização dos primeiros festivais de pesca. Do Minipraia a comida era transportada para o Parque de Exposição onde era servida.

Nelsinho Dantas e Juvenal Pedroso se exibindo nas águas do Rio Paraguai em frente ao Cais. Era uma atração a parte nas proximidades do Restaurante Mini Praia. Aos domingos a juventude aproveitava o calor se esquiando


...Minipraia nas saudosas lembranças do jornalista Faquini

   O goiano de nascimento e cacerense de coração, jornalista Luizmar Faquini conheceu muito bem o principal point de Cáceres dos últimos quarenta anos. Assíduo frequentador do Mini Praia ele recorda das inúmeras vezes que esteve ali em companhia de João Evaristo curvo, o Curvinho, do professor Luttegards Saavedra Ramos (Lute), Celso, da Exatoria, Burro Preto, do Incra, e outros para tomar umas geladas com tira-gosto de lambari frito que tão bem a dona Maria sabia servir.

   Animadas partidas de bozó ajudavam passar o tempo num clima totalmente de amizade e respeito entre todos que frequentavam o badalado local.

   Segundo Faquini, foi no Restaurante Mini Praia que surgiram as primeiras conversas para a criação de curso superior em Cáceres. Numa daquelas intermináveis conversas que varam madrugada adentro, teria surgido as ideias iniciais que transformariam o cenário educacional em Cáceres com a implantação do IESC. Hoje a Universidade do Estado de MT, Unemat.

   O jornalista também recorda de um fato que presenciou numa das idas ao restaurante; diz que estavam quase chegando, quando de dentro do batelão, Curvinho avistou alguém saindo com a bicicleta do professor Luttegards que havia ficado do outro lado da margem. Imediatamente o “Lute” gritou em voz alta: “moço essa bicicleta é minha...companheiro é minha essa bicicleta”. Tranquilamente o sujeito respondeu: “você já disse que essa bicicleta é sua...” e saiu pedalando como se nada houvera acontecido. Sossegadamente Luttegards sentou foi tomar cerveja e degustar o solicitado lambari frito, da dona Maria.

   “Mini Praia se tornou num capítulo especial do lazer, amizade e entretenimento da vida do povo cacerense. Na época da cheia a água chegava quase encostar no assoalho; o vai e vem do batelão, as prosas, ponto de encontro de negócios, de profissionais liberais...”.

Depois de saborear uma deliciosa peixada no restaurante Mini Praia, o jornalista Luizmar Faquini (acenando para o fotógrafo), Pino (com um dos remos) e a galera de amigos, retornando para outro lado em terra firme 


Prejuízo e decepção...

Erivaldo Cruz

   Nem tudo ficou marcado pelo saudosismo e contentamento, pelo menos para o comerciante Erivaldo da Cruz e Silva, que entre 1995 e 2000 esteve na direção do empreendimento.

   Ele revela que acertou com a dona Maria e arrendou o restaurante numa época em que o mesmo vinha em acentuado declínio.

   Passou investir no espaço pois acreditava que poderia dar um novo impulso e ânimo ao local que anos antes era a coqueluche da cidade.

   Erivaldo, ex-sargento do EB, historiador, tentava resgatar um pouco da rica história cultural de Cáceres, segundo ele, totalmente esquecida naquela época. Através de uma agência de turismo em que era sócio, passou a reviver as tradicionais festas de santo, folclore e a culinária cacerense. Via no Restaurante Mini Praia um ponto excelente para captação de suas ações culturais.

   Investiu no local com divulgação - tem inúmeros recortes de jornais locais e de Cuiabá - estampando a nova proposta turística que ensaiava. Revela que recebeu equipes da Globo do Rio de Janeiro, e vários turistas que se encantavam com o fácil acesso ao local e o contato com a exuberante natureza, a fauna, flora, pássaros, etc se tornavam num grande atrativo.

   Se preparou e investiu na expectativa da realização do Festival de Pesca de 1996. Decorou o ambiente, colocou guarda sol, cadeiras de praia, abasteceu o freezer com filé de pintado, reforçou o estoque de bebidas, água de coco, preparou a sua equipe de trabalho naquela enorme expectativa.

   Inclusive, vendendo mesas antecipadas para familiares da Miss Mato Grosso do Sul, também para diretores da Cerveja Antarctica que estavam realizando pesquisa de mercado em MT; oficiais do EB, enfim...

   Tudo preparado, eis a sua maior e desagradável surpresa que até hoje o entristece: um dia antes da largada do Fipe toda área em redor da baía foi cercada com arame farpado e terminantemente proibida a passagem de pessoas além daquela delimitação.

   Na frente do restaurante também a tal cerca de arame que ele não sabe quem mandou colocar, contrastava com o espaço que totalmente acessível e remodelado esperava ansiosamente recepcionar o festivo público.  

   Decepcionado, desapontado, Erivaldo Cruz arcou com o prejuízo daquele festival, e, nunca mais quis saber de trabalhar com turismo. Só tempos depois ficou sabendo que por divergências políticas (não sabe de quem) aquele festival não poderia ser realizado em razão de exames laboratoriais apontaram que a água da baia estava contaminada.

Os personagens do Restaurante Mini Praia


Trinta anos de atividade até sofrer ação do MP

   Durante aproximadamente trinta anos foi uma das atrações principais em oferecer um delicioso peixe com esmero na preparação e sabor diferenciado.

   O referido restaurante caiu no gosto da população cacerense, de visitantes e turistas. Nasceu para perdurar longos anos na história da cidade. Basta ver a estrutura em madeira com troncos de aroeira na fixação da base e madeiramento em mogno nas demais estruturação.

   O local esteve bem próximo de ganhar nova configuração para melhor, seria nos moldes de palafita, o inovador projeto já estava sendo elaborado pelo genro de dona Maria, engenheiro Álvaro Ferreira, quando foi abortado bruscamente pelo Ministério Público. Na intimação foi dada algumas horas para que a mesma fosse cumprida, e, assim, toda a história do local fosse posta ao chão.

   Assim chegou ao fim o Restaurante Mini Praia. Marcou época na vida de Cáceres durante três décadas. Aqueles que conheceram e desfrutaram momentos inesquecíveis ali, hoje é só saudade daqueles tempos de pura magia. Os que não o conheceram, agora tomam conhecimento através das fotos.  

   Saudade também do chef Waldemar Araújo Costa, que acometido por problemas cardíacos partiu muito cedo, aos 44 anos, exatamente em 02/09/1972, casado com Olga Pinho Araújo Costa, também falecida; o casal teve onze filhos.

Louristan Carlos Raymundi

Lauristan Raymundi

   Gaúcho de Sananduva onde nasceu em 1934; filho de uma família abastada do interior do Rio Grande do Sul, chegou na região de Cáceres no ano de 1959, jovem ainda nos seus 25 anos de idade, onde adquiriu terras.

   Dessas mesmas terras onde estavam duas de suas imensas fazendas, surgiram posteriormente os municípios de Indiavaí e Glória Doeste.

   Nas fazendas “Lauristan” chegou a plantar cem mil pés de café. Trouxe para ajudar no plantio e colheita dos frutos famílias de trabalhadores paraguaios que foram especialmente contratadas.

   Retornou ao Sul em 1981 e veio a falecer em Porto Alegre em 24/04/1997.

   Casado com a cacerense Maria Candelária da Silva, (hoje reside em Cuiabá). O casal teve os filhos: Carlos Alberto, Roberto, Carmem Lúcia.

   Foi proprietário de um dos primeiros escritórios de Contabilidade de Cáceres, o Incoeste.

Aristides Paraguai e Dulcema...

   Por um lapso omitimos a passagem do casal Aristides Romeiro (Paraguai) e Dulcema, na direção do Mini Praia. Eles durante anos de (1987 ao início de 1989), com absoluto sucesso, estiveram no comando do empreendimento.

   Aristides revela que nos finais de semana chegava a preparar caipirinha com dez caixas de vodka que eram consumidas entre o sábado e domingo. Por semana, eram aproximadamente seiscentos quilos de peixes servidos nos cardápios.

   “Foi um tempo muito bom. Muita gente nos prestigiava, a casa era sempre lotada. Teve uma época que uns gringos parentes do Daveron (Solon) praticamente moravam no restaurante”, relembra numa gargalhada.

 Capa do livro "Minhas recordações de Cáceres", 1999, de Paulina Maciel Castrillon, hoje com 83 anos, esposa de Natalino Castrillon. Ela presta homenagem à Mini Praia com uma poesia
 ABAIXO, OUTRAS IMAGENS DA MINI PRAIA QUE CIRCULAM NAS REDES SOCIAIS
Os garotos Marcos e Adriano Araújo, filhos de Waldemar e Olga, no recinto do restaurante Mini Praia
 
Acervo de Wilson Fuá
Acervo de Carlinhos Raymundi
Imagem aérea de um dos últimos Festivais Festivais de Pesca com a existência do Restaurante Mini Praia. Final da década de 90
 
 
 




Comentários: ( 64 ) cadastrados.
Por: ABNILDO RIBEIRO DA SILVA
CUIABA
Parabéns aos autores das reportagens, e registro da historia de nossa cidade,
Relembrando minha juventude, kkk, matei muitas aulas na escola Raimundo Cândido dos Reis, sem o Profº Evaristo perceber, e ia tomar umas geladas no restaurante Mini praia,
Hoje resido em Cuiabá e com saudades da terra natal, fico feliz em ler estes brilhantes trabalhos de jornalismo.

Sucessos Zakinews.
26/06/2020 00:49:29

Por: Ageo Luiz Bastos Villanova
Cuiabá
Parabéns Amigo Kishi, foi o lugar onde comi a melhor ventrecha de Pacu, e bebi a Antarctica mais gelada. Pena que o MP, acabou com esse ponto Turístico. Me lembro quem chegava aqui em Cáceres a primeira parada era o Restaurante Muni Praia nós anos 70/80, Saudades....
03/06/2020 12:44:12

Por: Adilson D Reis
Cáceres
Parabéns aos Confrades do Instituto Histórico e Geográfico de Cáceres, Kishi e Toninho Costa, vocês através do ZakiNews estão fazendo valer como nunca o slogan do informativo "marcando a história", sigam na empreitada e contem sempre conosco, fraterno abraço
03/06/2020 12:02:56

Por: Olga Castrillon
Caceres-MT
Cáceres em gotas de saudosas e emocionantes histórias de seu povo! Toninho e Kishi contam vidas e revivem a memoria. Ja temos um livro de crônicas da cidade. Por elas nos reencontramos. O mundo se torna tão pequeno no espaço destas emoções!! Continuem a nos brindar com elas!
03/06/2020 01:17:11

Por: Lauriene Carla Raymundi
Cuiabá
Linda história sobre meu pai, é muito bom poder conhecer está fase maravilhosa que meu pai Louristan teve em Cáceres, lembro dele contando suas aventuras com brilho no olhar, ele foi muito feliz e tenho certeza que amou de mais essa cidade! Mas algumas correções sobre ele, ele foi embora de Cáceres em 1981 não em 1980, e faleceu em 1997 não 1996!! Obrigada a todos pelo carinho que tiveram com Pai, acalenta meu coração saber o quanto meu Pai era querido por todos!! >>>>> DA REDAÇÃO ZAKINEWS AGRADECEMOS O VOSSO COMENTÁRIO E PROVIDENCIAREMOS A REFERIDA OBSERVAÇÃO FEITA. OBRIGADO.
02/06/2020 17:39:36

Por: Maria José Soares Nicodemos Bruzzon
Cáceres- MT
Que surpreendente e instigante história e memória narrada. Parabéns kishi e todos os colaboradores pelo frescor das recordações. Tive o privilégio de morar em frente a esse conceituado lugar na década de 80, e as lembranças do narrado e vivido neste artigo, me fizeram voltar ao passado e recordar de belos e preciosos momentos. Momentos esses, que atravessávamos de canoa para degustarmos um saboroso peixe frito com meu tio/pai Nicodemos, ou então, ficávamos as margens do rio, só observando o movimento do conceituado local. Fico feliz por terem abordado histórias de pessoas amigas e conhecidas, como da família Costa e Araújo para dar vida e um pouco mais de colorido as histórias contadas aqui, trazendo em si, os mais diversos sentimentos documentados e aflorados em sonhos, narrativas e percepções. Parabéns e gratidão.
02/06/2020 15:56:55

Por: Felipe Mendes Raymundi
Florianópolis - SC
Obrigado Kishi pela matéria e pela recordação da MiniPraia - Vivi alguns momentos da minha infância lá, junto com meu pai Carlinhos Raymundi, meu avô e outras pessoas! É especial relembrar dessa parte da nossa historia! Muito linda a matéria e emocionante!
02/06/2020 12:09:25

Por: Carlos Lisboa
Cuiabá MT
Parabéns à todos vcs do Zakinews, ( em especial ao amigo Wilson kishi), pois sou amigo da família do Sr Waldemar de Araújo Costa ( não o conheci pessoalmente), e da minha querida amiga Dona Olga Pinho Araújo Costa ( in memoriam), e eles sempre me falam desse restaurante importante para a história da cidade de Cáceres, onde eles viveram bons momentos de suas vidas nessa cidade maravilhosa que é Cáceres. Parabéns também aos proprietários e suas famílias. Grande abraço à todos vcs.
02/06/2020 11:35:39

Por: João Pedro Raymundi
Gramado/Rs
Bom dia! Parabéns pela matéria, ficou muito legal. Recordo das férias que passei nesse local, imagens guardadas até hoje eu meus pensamentos. Obrigado pelas palavras e carinho com nossa família. Grande abraço, João Pedro Raymundi
02/06/2020 10:58:36

Por: Luiz mario cardozo
Caceres
Uma lembrança que jamais será apagada da minha memória, foi a comemoração do tri mundial do Brasil 4x1Italia, a mini praia ficou pequena pra muita gente! Eu, na época com apenas 10 anos em compania do meu saudoso pai Assis, sairmos do Centenário bairro Lava-pés para comemorar o tri do Brasil.
02/06/2020 09:43:20

Por: Paulo Cesar Homem de Melo
Cuiabá
Toninho Costa e Wilson Kishi, vocês nos lembraram muito bem do inesquecível Mini Praia e as saudosas pessoas que o representam . O Mini Praia não acabou ,mas foi levado lá para cima e está funcionando normalmente, com seus frequentadores- raiz felizes, pois certamente estão num lugar com muita alegria e sem preocupação com quarentena . O Mini Praia nunca vai acabar e com certeza ainda vamos frequentá-lo. Muito forte e imorredoura a matéria, vocês estão escrevendo a história de Cáceres de uma forma que emociona . Parabéns !
02/06/2020 09:14:06

Por: Vânia
Cuiabá
Quero agradecer e parabenizar você e toda a sua equipe pela linda reportagem da Mini Praia, na qual os meus pais fizeram parte desta história, estou honrada e feliz por ter contribuído com as recordações.
02/06/2020 08:34:27

Por: Laisa
Cáceres
Kishi, estamos adorando acompanhar a rica história da nossa Princesinha do Paraguai. Uma cidade de mais de 240 anos tem muito o que nos contar... e vocês estão realizando esse projeto de um jeito muito encantador. Mesmo vivendo nessas épocas, acabamos descobrindo detalhes (antes) desconhecidos por trás de tudo e isso é muito especial. Parabéns ao site Zakinews pela dedicação e clara demonstração de amor pela nossa cidade.
02/06/2020 08:28:39

Por: Luizmar Faquini
Cáceres
Mais uma ve eu digo: o site Zakinews, do ex-vereador Kishi (com a coadjuvança do poeta e jornalista Toninho Costa) vêm prestando um inestimável serviço à historificação social de Cáceres. Resgates incríveis, vêm fazendo, com muita qualidade, riqueza de detalhes e gosto de poesia! Não fosse isso, esses elos épicos estariam perdidos no tempo. É isso, certamente, seriam prejuízos irreparáveis à historicidade contemporânea desta terra e desta gente, de tamanho passado e tantas epopéias... Mais uma vez, Kishi e Toninho Costa, a minha reverência a vocês, pela sensibilidade e desvelo. Vocês são incríveis!!! Só as futuras gerações saberão aquilatar o valor do que vocês estão fazendo agora...
02/06/2020 08:11:34

Por: Denize Maciel Castrillon Guaresqui
Cáceres MT
Belas lembranças kischi, vc nos faz lembrar um passado muito feliz! Duas pessoas que moram em nossos coraçoes fazem parte desse texto. O Mini Praia teve seu início com o meu pai e a minha minha mãe, retratado através de seu livro de suas memórias. Parabéns mais uma vez pela reportagem e a família agradece.
02/06/2020 08:09:55

Por: Anderson Oliveira
Brasília DF
Parabéns pela Excelente Reportagem!
Tive o previlégio de atravessar de batelão, para ir ao Mini Praia. Local de muitas Historia dos meus Avós, Waldemar de Araújo Costa, que infelizmente não conheci, e minha Avó Olga de Pinho, que merece todos os meus Aplausos, por ser uma mulher guerreira! Assim como minha Mae, Vania, que teve a oportunidade de, além de ajudar os Pais, nas horas vagas, obteve seus conhecimentos de Bancária no Banco Itau. Parabéns aos Meus tios, por ajudar os Pais, e fazer naquela época, a mini Mini Praia, um lugar famoso no Turismo local! Abçs
02/06/2020 07:19:50

Por: Marcos Souza de Barros
Cuiabá-MT
Com muita alegria e saudades desse lugar magnífico, testemunho que vivi momentos de muitos momentos maravilhosos na minha infância e adolescência.
Conquistei muitos amigos nessa época, pois, nesse local nos reuníamos para conversarmos e nos divertirmos, isso, sem esquecer a maravilhosa receptividade que sempre nos foi dedicada.
Destaco neste momento, principalmente, a pessoa do grande amigo Carlinhos, pois, essa amizade em razão de ser verdadeira , se fortaleceu e perdura até a presente data.
Sobrepus por passado parte de minha vida no convívio daqueles que ali frequentavam.
Por derradeiro, resta-me parabenizar o idealizador dessa iniciativa.
Parabéns.
Grande preservação da memória de Cáceres.
02/06/2020 06:22:23

Por: Walquiria Fátima Araújo Costa
São José do Rio Claro mt
Parabéns a todos pela bela reportagem como é bom p nós filhos de Waldemar e Olga termos essas belas lembranças. Ver essas imagens da Mini Praia foi como voltar naqueles tempos bons . Tbm lembrar dessas pessoas q fizeram parte dessa história. Só temos a agradecer.
02/06/2020 06:16:53

Por: Anônimo

Meu pai José Mário castrillon também frequentou muito junto com tio Luttegard lembranças que jamais serão esquecidas !! Eu só lembro de histórias contadas por eles . Saudades pai e tio amado. Deixou muitas lembranças boas para nós filhos ❤️
02/06/2020 01:44:55

Por: Maria José Serrão
Cáceres
Como é bom relembrar.... parabéns Kishi e Toninho Costa por nos presentear com mais essa belíssima reportagem que faz parte da minha infância e adolescência. Uma vez eu minha irmã Joana fomos almoçar e fazer um trabalho escolar na casa da colega Lenira num domingo, ela morava na cavalhada próximo a antiga Cocar e eu na Coronel Ponce atrás do CEOM, minha mãe disse que era pra voltarmos pra casa logo depois do almoço, mais a amiga convidou para irmos tomar banho na mini praia, chegando lá entramos só um pouquinho na água e a amiga já ajeitou pra atravessarmos pro outro lado, mau encostamos na canoa olhei do lado minha mãe na cola...enxotou eu e minha irmã pra casa, quase morri de vergonha, não deixou nem buscar os cadernos, a Lenira que levou na segunda na sala de aula, não sabíamos nadar, até hoje não sei quem avisou minha mãe que estávamos na Mini Praia. Hoje quando reunimos, sempre lembramos das artes do passado e essa passagem é sempre lembrada com muitas risadas.
01/06/2020 22:32:52

Por: Edson Marcelo de Pinho
Manaus_Am
Que viagem foi essa ao passado, muitas lembranças gostosas,..;tive o privilégio de desfrutar desta praia maravilhosa assim como desse rio maravilhoso aonde por várias vezes fui pescar com meu pai " professor tuti " como era chamado carinhosamente,.. Cáceres tinhas para os jovens muitos locais aonde se divertir nos fins de semana como ex: o clube UBSSC e o grande Humaitá, AABB, a praça barão do Rio Branco que era parada obrigatória dos jovens descontrair., parabéns a matéria top.
01/06/2020 22:26:55

Por: Tonico Caiçara
Cáceres
Muito boa lembrança era fan dos peça do lambari que vinha nas sobra da cozinha era tom agrdaver a prsca boa lembrança v e 1000,bari nas sobra da cozinha os s
01/06/2020 21:42:09

Por: Edina Sebastiana Silva Gaiva
Cuiabá
Ótimas lembranças, é emocionante e gratificante relembrar os momentos maravilhoso da minha infância...está de parabéns o autor dessa materia...
01/06/2020 21:37:12

Por: Maria Aparecida Leão
Cáceres-MT
Kishi e Toninho vocês estão de parabéns,estou emocionada com essa matéria, a mini praia fez parte da minha infancia nunca tinha visto nenhum registro desse lugar...Como me fez bem relembrar essa época, obrigado por essa maravilhosa oportunidade. Abraços
01/06/2020 21:22:23

Por: Carlos Alberto Raymundi
Caceres
Parabéns kischi e equipe pelo texto maravilhoso, cheio de recordações e histórias de todos os que viveram essa época tão linda, onde a cidade era feliz com o que o rio Paraguai fornecia, alegria, peixes maravilhosos, diversão e grandes amizades!! Foi maravilhoso reviver minha infância e adolescência ali na mini praia, os amigos que fiz, as pescarias, as pessoas que conheci quando ajudava minha mãe como garçom !! Até hoje sou conhecido por Carlinhos da mini praia! Obrigada novamente kischi nossa história revivida nesta reportagem !!!
01/06/2020 21:08:38

Por: Carlos Alberto Raymundi
Cáceres
Foi muito emocionante reviver os momentos de infância que ali passei, onde conheci e convivi com pessoas maravilhosas que por ali passaram. Ohhh saudades desse tempos !! até hj sou conhecido por Carlinhos da Míni Praia
01/06/2020 20:44:57

Por: Neil Currie
Bridgewater,, New Jersey
Ótima reportagem, melhores lembranças da Mini Praia e algumas das muitas personagens que deram alegria e vida única aquele espaço mágico. Para mim, genro do Waldemar e Olga, tenho saudade de todas as coisas do cotidiano do bar e restaurante ( o pacu frito da Dona Olga, o no de cachorro do Waldemar, e tantas outras coisas). Mas, no ano que vem fará 50 anos que pedi a mão da filha de Waldemar e Olga em casamento. Waldemar delegou a decisão para Olga que, depois de explicar como as coisas são, aceitou. Graças a Deus. Um momento que marcou e mudou minha vida.
Hoje celebramos todas as histórias e memórias da vasta comunidade da Mini Praia em Cáceres e espalhada pelo mundo Muito obrigado Wilson.
01/06/2020 20:26:09

Por: VALFREDO de Araújo Costa
Cuiabá-mt
Muito gratificante deparar com uma matéria Linda dessa, contando um pouco da história da Mini Praia, em Especial falando dos meus Pais Waldemar de Araújo Costa e Olga de Pinho Araujo Costa. Agradeço de coração a Equipe do Zakinews e em Especial ao meu amigo KISHI. Agradecemos também o Sr. Lauristan que formou uma grande parceria com meus pais. Parabéns a todos. Saudades da nossa Princesinha do Paraguai. Cáceres Querida.
01/06/2020 20:08:54

Por: LUIZ CARLOS DE LIMA
BAUERU/SP
MOREI EM CÁCERES DE 1982 A 1986. LEMBRO COM MUITA SAUDADE DA MINI PRAIA, RESTAURANTE CASCATA, E CLUBE HUMAÍTA. TEMPO BOM.......
01/06/2020 20:01:19

Por: Helimar marque
Caxias do Sul, RS
Parabéns pela bela reportagem, sou sobrinhá do Waldenar e Olga, lugar onde marcou minha juventude. Deus abençoe quem organizou essa bela lembrança.
01/06/2020 19:59:39

Por: Adriano Araújo Costa
Cuiabá MT
Quero agradecer a todos que fizeram a materia, que nos fez lembrar a nossa querida mini praia, que foi gerenciada pelos meus saudosos pais Waldemar e Olga . So lembranças boas, de quando atravessamos de bartelao e depois na ponte que foi feita, inclusive uma vez caí de cima da ponte, não lembro quem me salvou na época. Fiquei sabendo também que quem tocou violão com meu pai la foi simplesmente o saudoso Altemar Dutra. Abracos a todos os conterrâneos.
01/06/2020 19:58:17

Por: Jacy Maria Maldonado
Porto Alegre
Adorava atravessar de canoa e chegar na Mini Praia, era uma sensação maravilhosa. Foi lá que paquerei meu marido pela primeira vez, lembranças gostosas. Pena que tudo que se refere à história da nossa Cáceres pra muitos não tem valor e muito menos a vontade de preservar. Obrigada Kishi por manter viva a nossa história através das suas fotos!!
01/06/2020 19:56:43

Por: VALFREDO de Araújo Costa
Cuiabá
Parabéns a toda Equipe do Zakinews por produzir está Linda Matéria Falando um pouco da História da Querida Mini Praia e também contando um pouco da História dos meus Pais Waldemar de Araújo Costa e Olga de Pinho Araujo Costa. Agradeço com imenso Carinho o Kishi. Obrigado a Todos.
01/06/2020 19:54:12

Por: Santiago Selverio Savalio
Mirassol dOeste
Muita saudade desse tempo e da época em que fui frequentador. Nossa turma esquiava puchada pela famosa lancha Nena 1721, de propriedade do amigo Luís Paulo proprietário da Coçar Veículos, e o ponto da cerveja era o Mini Praia.
01/06/2020 19:45:05

Por: Rosa Maria Botassin
São José dos Quatro Marcos
Parabéns pela reportagem. Impossivel ir no Cais e não ver (na memória) lá do outro lado da margem o restaurante Mimi praia. Lembranças de uma adolescência vivida na querida Princesinha do Paraquai. Triste é conviver com a realidade de ruptura de nossa cultura, de nossa história. Destruíram o "mini praia" a Ponte Branca, a fonte da Praça Major João Carlos ....
01/06/2020 19:40:58

Por: PAULO ANTONIO DE ARAUJO COSTA
Cuiabá
Restaurante Mini Praia faz parte da história de várias gerações, foi um lugar marcante na cidade de Cáceres, quantos momentos inesquecíveis não foram vividos na Mini Praia, eu como filho caçula do Sr. Valdemar e D. Olga tenho algumas recordações imagina os meus irmão mais velhos e outros cidadãos que frequentaram este espaço, deve ser muito rico de histórias, lembro que meu irmão Mazinho e Valfredo (Fredo) contavam que saiam quase todos os dias para pescarem e voltavam com a canoa cheia de pacu e pintado que também abastecia o restaurante, e lembro de falarem de seus frequentadores ilustres, um dos mais falados era do Senador Curvinho, além de alguns cantores que por lá passaram, enfim, parabéns por mais essa reportagem, assim vamos aprendendo e revivendo histórias inesquecíveis de pessoas e estabelecimentos da Princesinha do Pantanal. Gratidão pelo ZakiNews.
01/06/2020 19:15:36

Por: Tania Costa Currie
Bridgewater - New Jersey USA
Muitíssima obrigada a todos do ZAKINEWS que preparou essa belíssima reportagem História da querida Mini Praia em Cáceres MT. Muito muito obrigada Wilson Kishi que aproximou dos meus irmãos para coletar algumas fotos e informações, bela recordação para Nós filhos dos finados Waldemar de Araújo Costa e Olga de Pinho Araújo Costa que fez parte dessa belíssima história, que trabalhou com o dono Sr Lauristan preparando os deliciosos peixes e outros pratos. Hoje fica nas nossas Memórias quando avistamos aquela ponta onde tinha o prédio, muitas Saudades de tudo na minha terrinha Natal
01/06/2020 19:13:49

Por: Antonivan Oliveira
Brasília
Muito top a reportagem!! Parabéns a Todos que fizeram a reportagem e a Todos que viveram Mini Praia!!
01/06/2020 19:01:23

Por: Anônimo

Parabéns belas lembranças e maravilhosa reportagem.
01/06/2020 19:00:43

Por: José Maurício Antunes da Cruz
Cáceres
Agradeço a Deus por permitir recordar momentos maravilhosos da minha juventude, Mini Praia, jamais será esquecido. Parabéns a todos pelo belíssimo trabalho de pesquisas.
01/06/2020 18:42:42

Por: Bruno homem de melo
Cuiaba
Parabéns Kishi por retratar e por todos aqueles q fizeram a história do Mini Praia.. minha infância foi marcada por aquele inesquecível lugar, junto dos meus avós Barão e Ze da .Lapa. interessante saber q as autoridades fizeram de tudo p fechar o local, e nada fizeram qdo destruíram a ponte.branca.. qtas saudades dessas referências historicas.. q emoção ler esse artigo.. abs. Bruno homem de melo
01/06/2020 18:42:10

Por: Cassio
Cáceres
Muito bom meu amigo...OBRIGADO por trazer a historia da nossa cidade com tanta clareza e carinho. Toninho, parabéns por contribuir com esse projeto impecável que Kishi vem traçando...Parabéns mesmo...
01/06/2020 18:28:17

Por: Juvenal Pedroso da Silva
Cáceres-MT
Que reportagem maravilhosa! Época muito boa! Abraços à todos
01/06/2020 18:15:07

Por: Marcela Faria de Favare
Cáceres Mt
Quanta saudds
Não cheguei a frequentar o local mais meu esposo Carlos de Favare (o carlinho)
Sim e Ele conta que nadava no Rio em frente do restaurante e se afogou eo senhor Laurystan o salvou somos muito gratos por isso . Cáceres sempre querida 😗😗😗
01/06/2020 15:16:31

Por: Mariano Leal de Paula
Cuiabá
Nossa! Que riquíssimo resgate histórico.
A Mini Praia, de ambos os lados, fez parte da minha infância e adolescência. O bom amigo Zé Ito também nos brindava com toda arte, malabarismo e peripécias em seu esqui, era um show.
Bom rever o meu querido amigo Erivaldo Cruz de bons tempos da loja Tecidos Cuiabá, por sinal meu primeiro emprego de carteira assinada, ainda menor na função de pacoteiro.
Parabéns pela brilhante matéria!
01/06/2020 15:12:29

Por: Francisco Do Prado S. Junior
Caceres
Parabéns Kishi e equipe, essas lembranças nos deixa mais jovial, tenho boas lembranças da mini praia.
01/06/2020 15:10:47

Por: PÉRICLES GONÇALVES
RIO GRANDE-RS
Muitos fins de semana e encontros com amigos desfrutei nesse Inesquecível local nos anos de 1975/76. Fiquei muito triste quando soube do encerramento de suas atividades. Ficaram saudosas lembranças!!!
01/06/2020 14:56:28

Por: Elton Rodrigues dos Santos
Curitiba PR
Em 1983 fui morar em Cáceres e, antes mesmo de aprender a nadar, adorava fazer a travessia com meus pais e meus irmão para jantar no Míni Praia. Depois comecei a frequentar a praia com meu irmão mais velho. Ele ainda não tinha 18 anos e, saudoso tempo, conseguia comprar cerveja, eu com cerca de 12 ou 13 anos dava uns goles escondido de todos para saciar a sede daquelas tarde quentes. Meu irmão trabalhava na Casas Buri, acho que tinha 16 anos no máximo. Quem, naquela época, deixaria de vender cervejas e porções de piquira feita para um rapaz que chegava com talão de cheques para gastar com os amigos e seu irmão do meio? Esse relato, essa literatura da memória, aguça minha memória e me faz lembrar de passagens que estavam guardadas no fundo de um baú cuja chave são relatos de outras pessoas que se dedicam a montar essa colcha de retalhos que faz parte da história oral das pessoas que fazem a história. Essa não é a história contada pelos vencedores. A melhor história é aquela que é contada pelos atores sociais!
Parabéns pelo relato histórico que, com o pano de fundo do restaurante que fez história em Cáceres, contou a história de muitas personalidades da cidade.
01/06/2020 14:30:39

Por: Maritza Maciel Castrillon Maldonado
Cáceres
Linda história! Muito emocionante ver os dois, meu pai e minha mãe, em uma memória tão bem narrada de um espaço-tempo que ficou na História de Cáceres. Parabéns Kishi... pela pesquisa, pela historia, pelas narrativas, pelas imagens... pela emoção do encontro com nossas memórias! Obrigada por compartilhar conosco seus achados históricos. Assim vamos contando às novas gerações sobre esse nosso velho mundo, tão repleto de belezas, simplicidade e encantos!
01/06/2020 13:58:20

Por: João Lira
Cuiabá
O restaurante Mini praia faz parte da história da minha vida .
01/06/2020 13:51:50

Por: Ines oliveira martins
Cuiabá
Amei,ver essa reportagem.Paulista e casada com cacerence, miltar e dentista,Reynaldo Leite Martins,morei 10 anos nessa pricezinha do Paraguai.Amava curtir o Rio Paraguai,onde aprendi a pescar, pilotar barco,contemplar o por do sol e ir saborear a deliciosa Ventrecha de Pacu,no restaurante da Mini Praia.Atravessar o rio de barco ou canoa,além de prazeiroso era um presente para nossos filhos,que ficavam anciosos a espera do momento.Passado um tempo,mudamos para Cuiabá,uma das filhas cacerense,hoje mora nos EEUU,mas as boas lembranças,desse bom tempo,dessas pessoas simples , maravilhosas e das idas ao Restaurante Mini Praia,com certeza são parte dos melhores momentos da nossa vida,guardados com carinho, eternamente nos nossos corações.
01/06/2020 13:46:41

Por: Celso Antunes
Cáceres
Tempos maravilhosos... Fui campeão de futebol de areia realizado na Mini Praia... Lembro do pessoal esquiando... Enfim... Saudades!!!
01/06/2020 12:53:44

Por: Caixeta
Cáceres
Top top bons tempos tomei muito querozene ai
01/06/2020 12:40:11

Por: Tatiane Dias
Caceres
Só quem viveu essa epoca sabe o quanto Caceres era bom, a impressao que tenho é que a cidade se movimentava, que o forte de fato era o turismo, que os politicos eram visionários.. saudades da minha antiga Caceres...
01/06/2020 12:17:07

Por: Ileo Rondon Silva
São José do Rio Claro
Parabéns a todos que direta ou indiretamente contribuirão a elaboração dessa matéria que faz parte da história cacerense. Em especial ao meu tio Fuah, a quem devo uma grande parte da minha educação e caráter homem que ajudou a me criar e compartilhou essa linda lembrança. Abraço!
01/06/2020 11:53:13

Por: Emerson Pinheiro Leite
Cáceres
Parabéns pela reportagem. Fui grande frequentador da Mini Praia, inclusive há época que era administrada pelo saudoso amigo Gaúcho e seu filho Luiz Claudio Raymundi, meu amigo de infância, que tocou este estabelecimento por muitos anos, após fechar o restaurante Kaskata, que era localizado ao lado do Banco do Brasil, sendo salvo engano, o Gaúcho foi o último que administrou o restaurante Mini Praia, antes do seu fechamento definitivo.
01/06/2020 11:43:46

Por: erivaldo cruz
caceres mt
Maravilhoso
que saudade faz parte da minha
historia.
marcou muito a minha juvemtude.
parabens pela materia fiquei muito
emocionado
obrigado.

Erivaldo da cruz e silva
01/06/2020 11:41:08

Por: Aldair
Cáceres
Aí sim é saudade...bons tempos este...
01/06/2020 11:36:16

Por: Glauciele Aparecida Faria ferreira
Cuiaba
Deveria fazer um outro restaurante igual reconstruir um lugar histórico da cidade tenho lembranças disso achava um lugar incrível!
01/06/2020 11:24:02

Por: Carlos Roberto Bolzan
Campinas - SP
Excelente artigo sobre o restaurante Mini Praia. Eu só o vi de longe porque era criança e me mudei de Cáceres aos 16 anos.
01/06/2020 11:13:20

Por: Claudomiro Savoine
Glória D'Oeste - MT
Magnifico resgate histórico zakinews, nos remetem a saga dos nossos colonizadores, em especial Lauristan Carlos Raymundi, que em companhia dos missionários Padre Amadeus Taurinnes, as irmãs Claudia e Marta, colonos-Antonio Claudino, Germano Brentã, Francisco Brito entre outros, fundaram Cruzeiro D'Oeste, atual Glória D'Oeste, em 29/06/1967.
01/06/2020 10:46:55

Por: Ivana De Souza
Cacoal
A mini praia foi o cenário de toda a minha adolescência. Os melhores momentos passei ao lado de grandes amigos. A Carminha, o Carlinhos e Beto é amizade pra vida inteira. Boas lembranças ao lado de d. Maria e Sr.Lauristan. Tem uma passagem que não esqueço. Muito amigos doa meus país é eu muito amiga dos meninos. Eu sempre amei assistir filmes. E numas das muitas noites que dormi lá, queria assistir um filme de ação que ia passar na TV. Insisti pra Carminha pra irmos assistir com o seu.pai. Ela não foi nem com minha insistência. Eu fui assistir com seu Lauristan. Mas logo desisti e fui dormir. Ele narrava o filme do jeito dele. Como o carro tinha que fazer a curva e por aí vai. Ninguém ficava na TV junto com ele kkkmkkk. Naquela época era na TV. Não tinha essas facilidades de hoje. Minhas lembranças são maravilhosas. Hoje moro em Cacoal Rondônia. Amei o artigo, pena que não fala do meu pai. Jurandir Ferreira de Souza, o vovô. Muito amigo do seu Lauristan e D. Maria. Frequentador assíduo da mini praia e campeão de Bozo, jogo com dados e com grandes campeonatos. De criança a adultos todo mundo jogava. Jogo até hoje com minhas filhas. Um abraço a Cáceres.
01/06/2020 10:12:52

Por: Kátia de Oliveira
Cáceres
Que história fabulosa. Amo essa cidade!!!
01/06/2020 09:38:35

Por: Airton Reis
Cuiabá
MINI PRAIA: MÁXIMA MEMÓRIA!

Cáceres paisagem fluvial.
Rio Paraguai braço do Pantanal.
Mini Praia lembrança da terra natal.

O peixe e o pescador.
Os propietários, as clientelas, as degustações.
As peixadas servidas em fartas e deliciosas porções.

Dona Olga e dona Maria,
Seu Lauristan e proprietários anteriores e posteriores:
Senhoras e senhores da anfitriã hospitalidade e cortesia.

Quanta saudade dessa baía.
Quantas estórias permeadas de alegria.
Nossa infância mergulhada em hídrica recordação.

Congratulação
por esse resgate
com enfoque cidadão.

Mini Praia
na máxima história
capitulada em páginas e em versos de gratidão!

(Airton Reis, leitor e cidadão cacerense. Cuiabá-MT, 01 de junho de 2020).


01/06/2020 09:11:47

Faça o comentário para a noticia: Restaurante Mini Praia, eco de saudade através do tempo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.