03/12/2019 - 10:00

Por: Ligiani Silveira | CGE-MT

Auditores esclarecem cerca de 570 dúvidas de servidores pelo canal Pergunte à CGE


Ligiani Silveira

 


A maioria das perguntas foi sobre gestão financeira, contábil, aquisições, convênios e pessoal

   Auditores da Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) responderam a 573 consultas dos gestores e servidores do Governo de Mato Grosso pelo canal “Pergunte à CGE”, de janeiro a outubro de 2019. A maioria das perguntas foi sobre gestão financeira, contábil, aquisições, convênios e pessoal.

   O “Pergunte à CGE” é uma ferramenta de contato direto com o servidor público do Poder Executivo Estadual para solicitação, via e-mail, de orientação e esclarecimentos acerca de assuntos relacionados à gestão administrativa. A ideia é facilitar a vida dos servidores com respostas rápidas e objetivas a respeito de matérias que tenham entendimento pacífico no âmbito da Controladoria.

   As consultas formuladas pelo "Pergunte à CGE" são respondidas diretamente no e-mail do solicitante. O prazo para retorno das respostas é de dois dias úteis contados a partir do recebimento da consulta.

   Entretanto, em eventual impossibilidade de retorno no prazo estabelecido devido à complexidade da solicitação, o auditor plantonista informa o solicitante, via e-mail, sobre o novo prazo para resposta ou se o caso será objeto de ordem de serviço, a qual tem prazo próprio para análise e conclusão.

   O canal é um dos principais produtos da Controladoria no cumprimento do papel de orientar os agentes públicos que atuam em atividades administrativas e prevenir a ocorrência de falhas e erros na aplicação dos recursos públicos. O funcionamento da ferramenta é disciplinado pela Portaria nº 047/2018/CGE.

   O canal "Pergunte à CGE" está disponível no site www.controladoria.mt.gov.br, no menu Serviços/Consultas.

Ligiani Silveira CGE-MT

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Auditores esclarecem cerca de 570 dúvidas de servidores pelo canal Pergunte à CGE

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.