27/10/2019 - 17:51

Por: Maurenilce Lemes

Repúdio, Indignação e Reconhecimento


   Todos os dias quando chego no meu trabalho, abro a ampla janela que dá vista para a Praça Duque de Caxias. Respiro fundo e brevemente contemplo a paisagem privilegiada que admiro com esplendor e agradeço a Deus pela oportunidade de trabalhar num local tão importante para nosso município. Quantas histórias temos ali, quantas pessoas estudaram ali, se constituíram cidadãos e cidadãs nesse espaço. Quantos profissionais passaram por ali.

   Quanto privilégio em estar trabalhando com profissionais comprometidos com uma educação de qualidade. Estudantes que estão começando sua formação escolar e outros preparando para novos caminhos. Um universo novo pra mim, embora memórias históricas nos faz sentir o sabor e o compromisso de inserir nesse espaço. A educação, como profissão, faz parte da minha desde cedo, mas na EE Esperidião Marques ingressei no final de janeiro de 2019.

   Dias atrás abri a janela da sala em que desenvolvo minha função como diretora da escola e deparei com um ipê descaracterizado de sua beleza pelo época do ano, mas que de repente deu um colorido espetacular, próprio dos desafios da natureza, em que no momento parecido mais inapropriado ele surge florido, mostrando toda sua plenitude em contraste com o clima desfavorável à renovação. No entanto, nesta semana (23/10) abri a janela e fui surpreendida por movimentos muito estranhos. De repente vi sendo depositados um aglomerado de lixo, na mesma direção em que contemplei visões privilegiadas.

   Lixos compostos de materiais cortantes, enferrujados, pontiagudos oferecendo sérios riscos aos nossos estudantes de seis à quinze anos. Demonstrando serem fortes indícios de aglomeração de insetos, ratos, e todos os tipos de animais peçonhentos, além disso, o risco de proliferação de mosquitos em que se propagam a Dengue, chikungunya, etc. Prejuízos de toda espécie ao comércio, ao trânsito e ao fluxo de entrada e saída dos nossos estudantes.

   Imediatamente começaram a reação de indignação das pessoas, inclusive da nossa escola. Providenciamos um abaixo assinado com a participação dos nossos profissionais, alunos, pais e pessoas/comércios do entorno. Evidentemente, não foi luta isolada da nossa parte, mas de todas as pessoas que se sentiram lesadas no seu direito de cidadania.

   Acredito que mostrar à população seus próprios danos ao meio ambiente é pertinente, porém essas atitudes tornar-se punição para outros é injustiça. A repercussão foi grande e totalmente negativa, tanto é que fomos surpreendidos pela retirada do lixo no outro dia de sua exposição, mostrando que determinadas decisões só causam revolta, repúdio, mas ao sermos consultados e provocados às mudanças benéficas à nossa amada cidade nos tornamos parceiros fortes e compromissados. Nossa cidade está passando por grandes mudanças, temos senso crítico ao repudiar, mas devemos reconhecer as ações que legitimam o bem comum, e com isso aproveitamos a oportunidade para agradecer nossas solicitações atendidas pela Prefeitura Municipal de Cáceres.

   Esperamos que seja revista com a população cacerense a exposição desse lixo e que medidas mais sérias sejam tomadas para coibir esses tipos de atitudes. Quem polui, quem produz esse lixo? Nossa unidade escolar desenvolve permanentemente atividades de conscientização, preservação e reposição da natureza. Diante disso estamos dispostos a contribuir para o êxito dessas propostas. Amamos Cáceres e queremos uma cidade que tenha progresso com qualidade de vida, respeito, solidariedade, enfim...AMOR, PAZ e ALEGRIA

Profª Ms. Maurenilce Lemes da Silva
É Diretora da EE Esperidião Marques

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Repúdio, Indignação e Reconhecimento

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.