22/05/2019 - 19:30

Por: Wilson Kishi / Zakinews

Desde 1996, em seis disputas eleitorais, PT de Cáceres só amarga derrotas


Matéria EXCLUSIVA Zakinews

Arte: Wilson Kishi

   O Partido dos Trabalhadores (PT) em Cáceres vem registrando, desde às eleições de 1996, números vergonhosos para quem esteve no comando do poder central entre os anos de 2002 a 2015. Nesse período, o Brasil estava sob o comando dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

   Nas últimas seis disputas majoritárias, o PT arriscou, em três delas, com candidaturas próprias. Foram nas eleições municipais de 1996, 2000 e 2012. Em 2004, o partido dos trabalhadores lançou candidato a vice-prefeito, em dobradinha com o PMDB. Vejam o desempenho do Partido dos Trabalhadores...

   Nas Eleições de 1996, o PT lançou chapa pura, com os professores Acir Fonseca Montecchi, como candidato a prefeito e José Ricardo Castrillon como candidato a vice-prefeito. Montecchi alcançou 3.853 votos. Nesse pleito, quem se elegeu, com 11.926 votos, foi o pecuarista Aloísio Coelho de Barros (PDT) com o dentista José da Silva Araújo de vice. Os demais candidatos foram Pedro Henry (PSDB) com 8.114 votos e Ninomiya Miguel (PFL) com 8.061 votos.

   Quatro anos depois, em 2000, o PT novamente lança candidatura a prefeito com o professor Lourivaldo Abich e vice Edson Penha, o Edinho. Juntos, conquistaram a simpatia de apenas 3.322 eleitores. Nessa disputa, quem conquistou a prefeitura foi Túlio Aurélio de Campos Fontes (PSDB) com José de Assis Guaresqui (PSDB) de vice-prefeito e contou com apoio do deputado federal Pedro Henry e governador Dante de Oliveira. Apesar da força política, Túlio venceu por diferença de apenas 1.200 votos o então vice-prefeito José da Silva Araújo (PMDB pelo placar de 17.380 x 16.180 votos.

   Na disputa eleitoral de 2004, o PT cacerense apoia a candidatura da arquiteta Fernanda Martins (PMDB) e lança o advogado Fransérgio Piovesan (PT) como candidato a vice. Nestas eleições, Fernanda ficou em terceiro lugar com apenas 3.396 votos. O eleito, nessa ocasião, foi Ricardo Luiz Henry (PP) que derrotou Túlio Fontes que buscava a reeleição. O irmão de Pedro Henry, que tinha Masato Nakahara (PTB) como vice-prefeito, obteve 18.554 votos, enquanto que Fontes ficou com 13.999 votos.

   Em 2008, por ironia política e ideológica, o partido dos trabalhadores consegue o melhor resultado eleitoral em Cáceres. Nacionalmente sempre na oposição, naquela oportunidade, o PT de Cáceres, acabou coligando com o DEM, PSDB e PDT, apoiando a chapa formada pelo Democrata Túlio Fontes e o vereador Wilson Kishi (PDT) como vice. Ricardo Henry, com 21.343 votos, derrotou Túlio Fontes, que obteve 20.821 votos, por uma diferença de apenas 522 votos. Porém, Túlio conquistou a prefeitura após o TRE-MT, cassar Ricardo em 5 processos por crime eleitoral. O PT, na coligação proporcional, elegeu, pela primeira vez, dois vereadores: Alonso Batista e Lúcia Gonçalves.

   Em 2012, o PT volta a disputar a prefeitura de Cáceres com candidatura própria e lança o pedagogo Edson Penha Mendes e o professor Jânio. Foi o pior resultado eleitoral que o partido obteve em Cáceres. Foram apenas 1.037 eleitores com acreditaram nas suas propostas. Quem se elegeu foi o empresário Francis Maris Cruz (PMDB) e sua vice-prefeita Antônia Eliene Liberato Dias (PSDB) com 21.630 votos. Em segundo lugar ficou Dr. Leonardo Albuquerque (PSD) que teve 21.318 votos.

   Se 2012 o PT obteve o pior resultado nas urnas de Cáceres, nas Eleições de 2016, foi considerado o maior fiasco. Nessas eleições, o partido não apresentou nenhum nome para concorrer a prefeitura e foi um simples coadjuvante para um grupo de partidos que se denominou de Frente Popular, encabeçada pelo Solidariedade, com o PCdoB de vice e mais o PV como apoiador. A chapa foi indeferida, em dose dupla, dos candidatos do Solidariedade (SD). Primeiro com o vereador Félix Alvares, na primeira tentativa e depois com sua esposa, Janaína Gomes dos Santos.

   O prefeito Francis Maris Cruz, que havia migrado do PMDB para o PSDB, manteve sua vice Eliene e foram reeleitos em 2016 com a aprovação de 22.372 eleitores cacerenses. Em segundo lugar ficou o advogado e professor da Unemat, Adriano Aparecido Silva que obteve 13.189 votos.  

   Para o pleito de 2020, o presidente James Cabral, já garantiu para a reportagem do Zakinews que o PT vem com candidatura própria para prefeito e chapa completa para vereador. A expectativa é que o partido, com chapa pura, volte a ter representatividade no Legislativo, com pelo menos, um vereador eleito. Para o cargo majoritário, o partido já apresentou os nomes do próprio James Cabral e dos professores Domingos Sávio, Mazéh Silva e Dimas Santana.

Comentários: ( 1 ) cadastrados.
Por: Maria Stefani
Cáceres
Vai continuar sendo derrotado, pelos dados elencados o PT nunca chegou a 4 mil votos em nenhuma eleição em Cáceres, em toda sua história elegeu apenas dois vereadores, nas últimas eleições nenhum .
24/05/2019 01:29:02

Faça o comentário para a noticia: Desde 1996, em seis disputas eleitorais, PT de Cáceres só amarga derrotas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.