23/05/2017 - 06:24

Por: Lis Ramalho

Estudo mostra viabilidade do uso do Rio Paraguai para transporte de cargas


   Em Corumbá, Mato Grosso do Sul, um estudo foi apresentado para mostrar que é possível usar o Rio Paraguai para baratear os custos com o transporte de cargas. O levantamento fez ainda projeções para as melhorias na estrutura da hidrovia.

   O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), realizado pelos professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) analisou o trecho de 1270 km entre Cáceres/MT e Porto Murtinho/MS. O EVTEA projetou ainda as potencialidades futuras da Hidrovia no que se refere às ações para a melhoria da infraestrutura, aumento da segurança na navegação, transporte de novas cargas, implantação e reestruturação de terminais portuários.

   O deputado Dr. Leonardo (PSD) participou do evento. Ele é requerente da Câmara Setorial Temática, na Assembleia Legislativa, que discute a efetivação da Hidrovia Paraguai/Paraná e Portos em Cáceres. O parlamentar vem debatendo a questão desde 2015, quando assumiu o mandato, por entender a importância econômica e o desenvolvimento que a efetivação da Hidrovia vai trazer para Mato Grosso.

   O transporte Hidroviário é uma grande luta do governo estadual e do setor produtivo, tendo em vista que Mato Grosso é maior produtor de grãos do país. Com a implantação do modal, só no valor do frete a redução seria de 30% dos valores atuais.

   “Vamos levar os resultados e as discussões que tivemos neste evento aos demais membros, para somar com o trabalho que estamos desenvolvendo. A Câmara Temática faz questão em estar presente nestes eventos, assim como estivemos em fevereiro, em Curitiba (PR) participando do Fórum. Pois agregamos esses debates ao nosso trabalho”, ressaltou.





 

Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Estudo mostra viabilidade do uso do Rio Paraguai para transporte de cargas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.